Defesa de Suzane já fala em anulação do júri

Contrariado com a decisão de manter um júri único para Suzane von Richthofen e os irmãos Daniel e Cristian Cravinhos, réus confessos do assassinato dos pais dela, em outubro de 2002, o advogado de defesa da jovem, Mauro Nacif, disse que vai lutar por seu direito a mais meia hora de argumentação. Se seu desejo não for atendido e, ao final do julgamento, ele sentir que sua cliente e foi prejudicada, Nacif disse que entrará com pedido de anulação do júri no Supremo Tribunal Federal (STF). Nacif afirmou que, no início da sessão, irá registrar em ata sua discordância com o júri único. "Se eu defendo a Suzane sozinha, eu tenho 2 horas e meia; se eu defendo a Suzane junto com o Geraldo Jabur (advogado dos Cravinhos), eu tenho duas horas". Nacif disse que vai lutar pelo direito a mais meia hora no júri. "Vou lutar, vou protestar, vou dizer que eu quero mais essa meia hora, mas o júri vai se realizar". De acordo com Nacif, registrando em ata, ele terá possibilidade de pedir depois a anulação do júri no STF. BombaNacif disse ainda que apresentará um argumento bomba ao fim do julgamento e que, pela primeira vez, Suzane terá a chance de "contar toda a história de verdade". Segundo o advogado, a jovem "disse que faria um desabafo de vida". O advogado destacou que a jovem foi ouvida pela Justiça apenas em novembro de 2002. "Quando foi ouvida pela justiça, pela primeira e única vez, Suzane ainda era apaixonada por Daniel", disse Nacif, garantindo que, desta vez o júri, não será interrompido e que os advogados não vão se retirar do tribunal, como aconteceu na primeira data marcada para o julgamento, em 5 de junho. "Depois que ela contar toda a história, depois que ela contar todo o sofrimento dela com ele, no final do julgamento, eu vou lançar um argumento bomba, nos últimos oito minutos". O advogado não quis adiantar do que se trata a "bomba", dizendo que não pode romper a confiança que Suzane tem nele.AtrasoO julgamento, previsto para começar às 13 horas, no Fórum Criminal da Barra Funda, zona oeste de São Paulo, ainda não foi iniciado. As 80 pessoas sorteadas para assistirem ao júri aguardam em fila para entrar no tribunal, sendo submetidas a um detector de metais.De acordo com informações da Rádio Eldorado AM, das 21 pessoas que haviam sido pré-selecionadas para fazerem parte do júri, sete serão sorteadas. Este sorteio será feito após a abertura da sessão que só acontece quando todas as pessoas que forem assistir o julgamento estiverem dentro do plenário.Júri únicoJá os advogados dos irmãos Cravinhos, Geraldo Jabur, disse à imprensa que concorda que o julgamento seja feito em conjunto e disse que desta vez o julgamento deve acontecer já que não há possibilidade de anulação porque, tanto a promotoria quanto a defesa dos Cravinhos, vão aprovar os jurados que serão sorteados.CravinhosOs irmãos Daniel e Cristian Cravinhos saíram, por volta das 11 horas, do Centro de Detenção Provisória de Pinheiros, onde estão presos desde 1º de junho deste ano, após transferência da Penitenciária João Batista de Arruda Sampaio, em Itirapina, no interior de São Paulo. Os irmãos chegaram ao Fórum Criminal da Barra Funda, também na zona oeste, em cerca de 15 minutos. SuzaneSuzane chegou ao fórum às 9h17, em um veículo de transporte de presos da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária, de acordo com a Rádio Eldorado. O carro foi escoltado por um veículo da Polícia Militar desde o Centro de Ressocialização de Rio Claro, no interior do Estado. Suzane e os Cravinhos já se encontram no plenário. Nenhum deles está vestido com uniformes do sistema prisional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.