Defesa do assassino do shopping luta por uma pena menor

No segundo dia do julgamento de Mateus da Costa Meira, o atirador do Morumbishopping, a defesa deixou claro que quer convencer os jurados do 1º Tribunal do Júri, que o acusado é semi-imputável (não tem total consciência do crime que cometeu). Na prática, isso significaria uma redução de pena. Para o Ministério Público, a defesa busca, na verdade, benefícios que podem tirar Mateus da cadeia antes de cumprir 30 anos de pena, o tempo máximo de permanência na prisão, permitido por lei. Mateus está sendo julgado por três homicídios, quatro tentativas de assassinato e por ter colocado em risco a vida de outras 15 pessoas. Então estudante do 6º ano de Medicina da Santa Casa, ele metralhou a platéia do cinema na noite de 3 de novembro de 1999. Durante o dia de hoje, foram ouvidas mais três testemunhas: o delegado João Batista Palma Belochi, e os psiquiatras JoséCássio do Nascimento Pitta, e Sérgio Paulo Rigonatti. Pitta é o atual psiquiatra de Mateus e Rigonatti subscreveu o laudo eatestou que o acusado é imputável (tinha noção do crime que cometia e pode ser responsabilizado por isso).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.