AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Defesa quer levar jurados ao Carandiru

Uma visita ao Pavilhão 9 da Casa de Detenção, no Carandiru, é o recurso que a defesa do coronel Ubiratan Guimarães quer usar para mostrar aos jurados como os policiais militares acusados do assassinato de 111 presos se sentiram ao entrar no presídio no dia das mortes.O pedido para que o julgamento seja convertido em diligência foi apresentado pelo advogado Vicente Cascione à juíza Maria Cristina Cotrofe, que ainda não tomou uma decisão sobre o assunto. "Quero que eles avaliem o temor que os PMs sentiram. Pena que eu não possa levá-los de volta ao presídio naquele 2 de outubro", afirmou o advogado. "Naquele dia, a Tropa de Choque invadiu o pavilhão para controlar um motim. O coronel chefiou a operação e agora está sendo acusado pelas 111 mortes e 5 tentativas de homicídio." Para Cascione, quanto mais subsídios os jurados tiverem, melhor. Ele já apresentara pedido idêntico no primeiro julgamento do coronel, interrompido no ano passado porque um jurado passou mal. O promotor Norberto Jóia disse que é indiferente à questão da ida à Detenção. O julgamento do coronel foi reiniciado no Fórum Criminal Ministro Mário Guimarães às 9h50, com a leitura de depoimentos do processo. Primeiro, foram lidos os que os PMs prestaram no inquérito policial-militar que apurou o massacre. Na época, o capitão Wanderley Mascarenhas admitiu ter feito disparos no pavilhão. A leitura das peças da acusação deve prolongar-se por dois dias. Outros dois devem ser ocupados pela leitura de peças da defesa.Além de depoimentos, reportagens e livros sobre o massacre, a acusação pediu a leitura de 24 decisões judiciais que condenaram o Estado a pagar indenizações a parentes das vítimas.A defesa pedirá a leitura de depoimentos de policiais, de um parecer de um procurador de Justiça que pediu a absolvição do coronel e de laudos. Cascione voltou a criticar entidades de defesa dos direitos humanos. "Se eu fosse comandante, teria um método. Não entrava no pavilhão. Primeiro, chamaria o pessoal dos direitos humanos e da Pastoral Carcerária e mandaria eles entrarem. Se saíssem vivos, estaria tudo pacificado." James Cavallaro, diretor da entidade Justiça Global, respondeu que o advogado fez uma tentativa infeliz de reduzir a responsabilidade do coronel. "Por isso, esperamos que ele seja condenado." Cascione rebateu ainda a afirmação da promotoria de que os laudos mostram que os PMs só atiraram em regiões vitais dos presos. "Você já viu alguém morrer com tiro no pé?" O Ministério Público ainda não achou Aparecido Donizete Domingues, única testemunha da acusação que não compareceu ao julgamento. Promotores foram à sua casa nesta quarta-feira, mas ele não estava. "Caso não consigamos localizá-lo abriremos mão da testemunha", disse o promotor Felipe Locke Cavalcanti. "Temos outros 4 sobreviventes."Catorze pessoas estão arroladas como testemunhas: 5 sobreviventes, 5 de acusação e 4 de defesa.

Agencia Estado,

21 de junho de 2001 | 23h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.