Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Deic prende ladrões de explosivos

Cinco rapazes, três menores, foram detidos nesta quinta-feira de manhã em Paulínia, acusados de roubar explosivos de uma pedreira da cidade. Apenas uma banana com dois quilos do explosivo foi recuperada pela polícia.Três investigadores do Departamento de Investigações Criminais (Deic) de São Paulo estiveram em Paulínia e levaram o material para compará-lo com os explosivos apreendidos em Campinas, que seriam utilizados pelo Primeiro Comando da Capital (PCC) para explodir o prédio da Bolsa de Valores de São Paulo.Em Campinas, o Deic recolheu 30 quilos de emulsão explosiva do porta-malas de um veículo Gol, que estaria indo para São Paulo, no dia 21 do mês passado. As suspeitas eram de que os explosivos tivessem sido roubados ou furtados de pedreiras da região.O delegado de Paulínia, Tadeu de Brito Almeida, não descartou que possa haver relação entre o flagrante desta quinta e a ameaça do PCC, mas afirmou que o caso será investigado. De acordo com ele, o furto à Pedreira Galvani, em Paulínia, ocorreu há cerca de 45 dias, apesar de os proprietários não terem registrado boletim de ocorrência.O ex-funcionário da pedreira Cristian Cazzarotto forneceu um mapa do prédio ao dono de uma serralheria, Vinícius Caputti. O serralheiro disse que enviou dois de seus funcionários, ambos menores, para furtar uma broca do local. Mas eles teriam roubado também uma caixa com dez bananas explosivas, ?por curiosidade?, conforme a versão de Caputti. Ele disse que guardou nove explosivos. O décimo foi encontrado na casa de Marcelo Santos Trindade.Caputti afirmou que jogou as nove unidades no Rio Atibaia há cerca de 15 dias, quando soube da repercussão da tentativa de atentado do PCC. Almeida comentou que o Corpo de Bombeiros fará a busca no rio. ?É preciso saber se esse material foi mesmo descartado ou está em poder de alguma facção criminosa?, disse o delegado.A polícia de Paulínia soube do furto porque recebeu a denúncia de que um morador tinha uma bomba guardada em casa e iria usá-la para explodir a ponte de uma usina em Cosmópolis, e obteve mandado de busca para apreender o material que estava com Trindade. Ele indicou os outros envolvidos no caso. Os três maiores estão detidos em Paulínia. Os menores foram encaminhados para a Vara da Infância e da Juventude.

Agencia Estado,

14 de novembro de 2002 | 23h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.