Delegacia da Mulher atende 600 casos por mês

Um setor da polícia cuja procura está em alta no centro de São Paulo é a Delegacia da Mulher. No ano passado foram registradas 7.200 queixas, média de 600 por mês, a maioria por agressão e ameaça. A delegacia atende mulheres de toda a cidade e dos municípios da Grande São Paulo.Além de investigar, prender e processar os autores das agressões, ameaças e estupros, a delegacia encaminha as mulheres para atendimento psicológico e social, por meio de convênios assinados com as Faculdades São Marcos, Paulista, Paulistana e Mackenzie.Os psicólogos formam grupos de terapia. "Tem até marido agressor que se submete à terapia de grupo. Nos últimos dois anos, 12 homens participaram das sessões de terapia", explicou o delegado Mário Jordão. Os grupos tradicionais, de até 30 mulheres, são renovados todos os meses. Nos casos mais graves, as vítimas passam para o novo grupo.A partir de fevereiro a Delegacia da Mulher vai contar com terapia para crianças vítimas de violência em família. O convênio foi assinado em dezembro com a Faculdade Paulistana. A delegacia funciona na Rua Bittencourt Rodrigues, 300, próximo da Avenida Rangel Pestana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.