Delegacia de Crimes Ambientais vai apurar acidente com gás

A delegacia de Crimes Ambientais abriu inquérito na tarde desta sexta-feira, 23, para investigar as causas do acidente com um caminhão que transportava dez cilindros do gás butil mercaptano, e que tombou, nesta madrugada, na Marginal do Pinheiros. Dois dos cilindros vazaram, espalhando o forte cheiro do composto pela região, causando náuseas e dores de cabeça aos moradores dos entornos da área do acidente.TrânsitoO acidente, que aconteceu por volta das 4 horas, interditou a pista expressa da Marginal do Pinheiros que ficou bloqueada até as 11h40 desta sexta, complicando o trânsito de toda a cidade.A pista expressa da Marginal ficou completamente interditada das 5 horas às 8h30, pois havia risco de explosão. Até os trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), foram impedidos de parar nas estações da Cidade Jardim e Hebraica-Rebouças por mais de uma hora. "Qualquer faísca provocada pelo atrito dos freios era perigosa", explicou o capitão dos bombeiros, Rogério Longato. Às 10 horas o índice de congestionamento chegou a 126 quilômetros, bem acima da média para o horário, 37 quilômetros. O trânsito na pista expressa só foi liberado totalmente às 11h40.A CET deverá cobrar cerca de R$ 50 mil pelo trabalho desenvolvido no local, como prevê o decreto de janeiro deste ano. "Se passar de uma hora podemos encaixar na nova lei e calcular os custos para repassar à transportadora", informou o gerente de operações, Paulo Millano. SaúdeSegundo o diretor do Centro de Toxicologia do Hospital das Clínicas Anthoni Uong, o gás não é prejudicial à saúde tóxico. Segundo o médico, além das náuseas e dores de cabeça, a inalação do gás pode causar irritação na garganta, falta de ar e a chamada pneumonia química, que causa coriza e aumento de catarro no peito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.