Delegacias de SP deixarão de ter presos até abril, diz Alckmin

O governo do Estado de São Paulo tem como meta acabar com a carceragem nos Distritos Policiais (DPs) da capital paulista até abril do próximo ano, afirmou hoje o governador Geraldo Alckmin. Segundo ele, dos 93 DPs da cidade, 47 já não contam mais com o sistema de aprisionamento de pessoas. "Nossa meta é zerar este número até abril de 2005", disse.Para isso, o governo está deve abrir 8 mil vagas em presídios e Centros de Detenção Provisória (CDPs), já que a capital conta com 7,4 mil presos nos distritos. "Em São Paulo, nós temos diminuído enormemente o número de presos em cadeias", afirmou. Alckmin informou também que 21% dos 130 mil presos estão nesses lugares. "O restante está em penitenciárias, cujo índice de fuga é de 0,13%, nível europeu", disse. Ele disse ainda que há Estados brasileiros com a proporção invertida, mas preferiu não citar nomes.Os presos que ficavam anteriormente nas cadeias têm como destino mais certo os CDPs. O local abriga os que ainda não foram a julgamento e que podem ser condenados - ou absolvidos -, mantendo-os isolados da sociedade. Os CPDs contam com muralha, segurança e evitam, segundo o governador, riscos nas delegacias. "O CDP é uma criação paulista", orgulhou-se Alckmin.O governador fez estas afirmações após a inauguração da base comunitária de segurança do Largo 1º de Maio, em Ermelino Matarazzo, Zona Leste da Capital Paulista. A unidade contará com 16 policiais que trabalharão divididos em turnos e mais quatro que estarão circulando na região de bicicleta.

Agencia Estado,

10 de julho de 2004 | 16h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.