Delegado abre inquérito contra rapazes que incendiaram hotel

O delegado de Nova Viçosa, José Geraldo Gomes, abriu nesta quinta-feira inquérito contra os cinco rapazes de Brasília que com outros dois menores fabricaram uma bomba caseira para explodir no quarto da pousada onde estavam hospedados. O dono da pousada, Gerson Moura, retirou queixa contra os rapazes atendendo a pedido de umadas mães.Moura contou que a mulher estava desesperada e implorou para que ele não prejudicasse os seus dois filhos, que seriam ?meninos bons? e cursam faculdade. ?Eu também sou pai, compreendi o pedido?, rendeu-se. Os danos materiais foram pequenos e a mulher se comprometeu a ressarcir os colchões incendiados e os estragos no quarto.Até o início da noite, o delegado não sabia se deixaria os rapazes, que estavam presos desde quarta-feira, responderem ao processo em liberdade. Os dois menores foram liberados nesta quinta-feira, porque na cidade não há casa decustódia para adolescentes, mas também continuarão respondendo a processo.A algazarra começou na estrada. Segundo Moura, por três vezes a polícia teria parado o ônibus alugado porque os jovens atiraram latas de cerveja pela janela. Na pousada, jogaram uma bombinha próximo a uma mulher grávida. Foram advertidos. Chegavam de madrugada, tocando buzina e cantando alto. ?Pedimos para que respeitassem os demais hóspedes, mas eles não obedeciam?, recordou Moura. Ele conta que os rapazes teriam avisado a cozinheira que explodiriam uma bomba na pousada, por vingança. O delgado disse que com a retirada de queixa os rapazes não serão responsabilizados pelos danos materiais e pequenas queimaduras causadas no dono da pousada quando ele tentava apagar o fogo. Mas eles serão enquadrados no artigo 250 do Código Penal, por provocarem incêndio.Segundo o delegado a pena é de 3 a 8 anos prisão, dependendo do grau de periculosidade da ação dos rapazes que for atestado pela perícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.