Delegado da PF nega ter distribuído CD com fotos do dinheiro

O delegado Edmílson Pereira Bruno, que prendeu Valdebran Padilha e Gedimar Passos com R$ 1,75 milhão em hotel em São Paulo, negou nesta sexta-feira, ter distribuído o CD com fotos com o dinheiro apreendido pela Polícia Federal à imprensa. Segundo ele, o CD sumiu de seu arquivo pessoal entre quinta à noite e sexta de manhã. Ao perceber o sumiço, ele admitiu ter feito ligações para alguns jornalistas para checar se alguém tinha o CD. "Eventualmente, foi um furto. Eu não sei. Vão apurar. A direção vai apurar tudo isso, comentou. "Estão veiculando que eu cedi o CD e eu não cedi este CD. Eu não sei se é para me prejudicar ou não. Não sei quem foi o autor do crime, mas não fui eu que distribui o CD."De acordo com ele, as fotos que sumiram não são do dinheiro apreendido pela PF no hotel há duas semanas e sim de uma perícia feita ontem no Banco Central. "Essas fotos sumiram do meu arquivo pessoal. O ministro Marcio Thomaz Bastos (Justiça) nem sabia dessas fotos, que foram tiradas ontem, durante a perícia. Não são as fotos do dia da prisão." Bruno admitiu, entretanto, que acompanhou a perícia.O delegado disse que, possivelmente, será aberto um inquérito para apurar o caso. "A Policia Federal vai chegar ao autor", afirmou, ressaltando que não tem medo de ser punido. "Eu não temo nada, sei de minha conduta como policial federal."Questionado sobre como o CD pode ter sumido de dentro de um prédio da Polícia Federal, respondeu: "Não perguntem a mim, eu não faço a segurança do prédio."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.