Delegado de Tremembé mata três ao reagir a assalto

Uma tentativa de assalto terminou com um saldo de três mortos em Tremembé no Vale do Paraíba, depois que o delegado Renato de Palma Salerno, de 36 anos, assistente na delegacia da cidade matou três assaltantes durante um roubo, do qual foi vítima na noite de terça-feira. O policial e a namorada, cujo nome não foi divulgado, conversavam dentro do carro na região central do pequeno município quando foram abordados por três ladrões. Os criminosos obrigaram o casal a ir para o banco de trás do veículo e saíram em alta velocidade. Seguiram para a cidade vizinha de Taubaté e no meio do caminho, na estrada que liga os dois municípios, decidiram levar as vítimas para um terreno distante da principal rodovia. Ainda dentro do carro os assaltantes encontraram a carteira de Salerno e descobriram que ele era delegado de polícia. Segundo depoimento de Salerno ao seccional Roberto Martins de Barros, os assaltantes então disseram que matariam o delegado e a namorada e "ele não teve outra alternativa, senão reagir". O policial pegou sua arma que estava embaixo do banco do passageiro e fez três disparos. O ladrão que estava no banco de trás levou um tiro no peito e os outros dois na nuca. Mesmo feridos, os dois assaltantes que ocupavam os bancos da frente desceram do veículo para tentar fugir por um matagal. Com o assaltante ferido dentro do carro, o delegado tomou o volante e o levou para o Pronto Socorro Municipal. Avisou também a Polícia Militar que encontrou os dois feridos, fazendo também o socorro.Jaciandro Teodoro, Alex Diogo de Freitas e Frederico dos Santos Mota, todos de 24 anos, morreram ao chegar no hospital de Tremembé. Os corpos passaram por exames periciais e foram reconhecidos pelas famílias. Jaciandro já tinha passagem por roubo. Os três eram de Taubaté. A ocorrência foi registrada como tentativa de assalto seguida de legítima defesa. Um inquérito foi instaurado e deve ser concluído em trinta dias. De acordo com a polícia, o delegado não será afastado das funções mas terá acompanhamento psicológico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.