Delegado diz à CPI que dinheiro foi apenas transportado por petistas

Técnicos da CPI dos Sanguessugas vão nesta quinta-feira para Cuiabá (MT) retirar cópia do relatório feito pelo delegado da Polícia Federal Diógenes Curado sobre o dossiê contra candidatos tucanos. "O delegado Diógenes me disse que vai dizer no relatório que o dinheiro para a compra do dossiê foi transportado por petistas", segundo o vice-presidente da CPI, deputado Raul Jungmann (PPS-PE).De acordo com o parlamentar, o relatório deverá ser entregue ainda esta tarde ao juiz de Mato Grosso, Jefferson Shneider, que cuida do caso. Segundo ele, o delegado lhe teria assegurado que as investigações sobre a origem do dinheiro devem ser concluídas antes do segundo turno das eleições.Já o delegado superintendente da Polícia Federal no Mato Grosso, Daniel Lorenz afirmou nesta quinta que "as investigações sobre o rastreamento dos dólares encontrados em um hotel em São Paulo, e que estão relacionados à compra do dossiê Vedoin, que conteria supostas denuncias contra candidatos do PSDB, "avançou muito". O delegado fez esta declaração e mais nada disse, se recusando a novos comentários. Jungmann havia reclamado nesta quarta que, apesar de Scheneider ter autorizado o envio dos dados referentes ao rastreamento dos US$ 109 mil, encontrados com petistas, "a Polícia Federal ainda não encaminhou nada." O sub-relator da CPI, deputado Carlos Sampaio, também confirmou na quarta que o dinheiro para o dossiê veio do PT. "Agora, onde o PT foi buscar o dinheiro é que não se tem. E a expectativa é que o delegado Diógenes Curado diga isso em seu relatório". Ele reclamou ainda da demora da Polícia Federal em enviar à CPI a quebra do sigilo telefônico de Hamilton Lacerda, ex-assessor de campanha de Aloizio Mercadante ao governo paulista. Este texto foi alterado às 15h57 para acréscimo de informação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.