Delegado diz que informações sobre a chacina são falsas

As versões apontadas até o momento para a chacina de sete pessoas, entre elas cinco jovens no Rio, na última quinta-feira, são falsas segundo adiantou neste sábado o delegado Aldari Viana, responsável pela investigação. "Não tem nada, nada nem próximo, nada é verdadeiro", disse ele sobre as informações já veiculadas na imprensa, a partir de depoimentos do único sobrevivente da chacina, de familiares dos jovens mortos e de policiais, de que os jovens mortos eram trabalhadores e estavam a caminho de uma partida de futebol quando foram assassinados.O delegado não quis adiantar qual é a real motivação das mortes, alegando que especulações podem atrapalhar as investigações que estão sendo concluídas. Os policiais acreditavam, inicialmente, que os jovens foram mortos por terem sido confundidos com traficantes de facção rival ou por vingança. A Vila do João - onde moravam os jovens assassinados -, e o Morro do Adeus, duas favelas localizadas na zona Norte do Rio, já foram controladas pelo grupo Amigos dos Amigos (ADA). Hoje, o Adeus está sob comando do Terceiro Comando Puro(TCP) e os traficantes das duas favelas estão em guerra. A suspeita inicial era que os jovens haviam sido mortos pelos traficantes do Adeus.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.