Delegado é afastado por suspeita de desviar mercadoria

O delegado Paulo Fleury foi afastado ontem da Delegacia de Combate à Pirataria de Produtos após a Corregedoria da Polícia Civil ter apreendido ferramentas e equipamentos elétricos num prédio onde funciona a empresa Fleury Assessoria, na Rua Força Pública, no Carandiru, zona norte de São Paulo. Os corregedores estavam investigando a denúncia de que o policial manteria um galpão onde seriam guardadas mercadorias apreendidas desviadas. A empresa pertence à mulher do delegado.O afastamento do delegado foi decidido pelo diretor do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic), Godofredo Bittencourt Filho. Oficialmente, o motivo é garantir a transparência da investigação da corregedoria.Fleury começou a ser investigado após ter dado de presente bolsas falsificadas da marca Louis Vuitton para secretárias da juíza corregedora Ivana David Boriero, do Departamento de Inquéritos Policiais (Dipo) do Tribunal de Justiça. Suspeitando que as bolsas fizessem parte de um lote apreendido pelo delegado, a juíza fez a denúncia à corregedoria.Foi aberto inquérito policial. O delegado defendeu-se dizendo que as bolsas lhe haviam sido dadas pelo representante da empresa francesa. Sobre o depósito encontrado ontem, o policial disse aos superiores que não tem nenhuma relação com o material encontrado. Afirmou tratar-se de material sob a guarda do representante de uma empresa.

Agencia Estado,

01 de maio de 2003 | 21h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.