Delegado nega acusações e é aplaudido

Em entrevista coletiva ontem, na sede do Departamento Estadual de Narcóticos (Denarc), o diretor Everardo Tanganelli, um dos conselheiros da Polícia Civil em São Paulo, voltou a negar as acusações de enriquecimento ilícito e lavagem de dinheiro apuradas pelo Ministério Público. O salário de R$ 8 mil seria incompatível com o patrimônio dele, avaliado em R$ 4,5 milhões. "Eu conheço delegados que têm patrimônio (alto) e são trabalhadores. Como também conheço muito promotor que tem patrimônio muito além de seu salário."Ele foi aplaudido por cerca de 50 policiais que acompanharam a entrevista. "Não convoquei ninguém. Isso mostra como sou querido", disse o diretor. Ele também desqualificou o ex-subordinado que o acusa de receber propina, chamando-o de "débil mental" e "drogado".

José Dacauaziliquá, O Estadao de S.Paulo

14 de junho de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.