Delegados do RN ameaçam fazer greve

Em assembléia encerrada na noite de ontem, os delegados da Polícia Civil decidiram entrar em greve na próxima semana, no dia 26. Segundo a vice-presidente da Associação dos Delegados da Polícia Civil do Rio Grande do Norte (Adepol), Ana Cláudia Saraiva Gomes, a categoria está aberta a negociações e espera ser recebida pela governadora Wilma de Faria (PSB) até o final de semana. "Hoje, vamos entregar um documento com nossas reivindicações, sobretudo a que trata do Estatuto da Polícia Civil, luta dos profissionais desde 1981", disse a delegada. Agentes e escrivães estão de braços cruzados desde a segunda-feira. A vice-presidente da Adepol garantiu que se a paralisação se concretizar, 30% dos delegados continuarão atendendo a população."Queremos esta lei para nos dar condições para o exercício de nossa função constitucional: investigar o crime", ressalta Ana Cláudia. Ela defende que todas as delegacias sejam geridas por bacharéis em direito. O Estado tem 127 delegados, número insuficiente, pois são 207 delegacias. "Atualmente, os delegados administram minipresídios", reclama, referindo-se à superlotação das delegacias da Grande Natal.Em Mossoró, segunda maior cidade do RN, todas as delegacias funcionam normalmente. O movimento concentra-se na capital. O secretário da Defesa Social, Cláudio Santos, pediu bom senso aos delegados. "São pessoas de um bom nível intelectual e devem refletir porque é a população que sai prejudicada", destacou o secretário. O delegado geral de Polícia, Gladson Araújo, frisou que os policias devem evitar excessos durante o movimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.