DEM diz aceitar Agricultura desde que ''turbinada''

Depois de negociações nesta semana com integrantes do governo paulista e com o governador Geraldo Alckmin (PSDB), o DEM resolveu que aceitará a Secretaria da Agricultura, desde que a pasta seja fortalecida com novos projetos ou que sejam devolvidos programas que faziam parte da secretaria mas que acabaram migrando para outras.

, O Estado de S.Paulo

22 Abril 2011 | 00h00

O partido resistia a aceitar a Agricultura, que estava vaga com a saída de João Sampaio, por avaliar que a pasta fora desidratada. O DEM indicará o deputado Rodrigo Garcia para o secretariado. A sigla planeja aceitar a proposta do governo desde que voltem para a Agricultura programas como o Viva Leite e o Bom Prato, deslocados neste ano para o Desenvolvimento Social.

Para os integrantes do DEM, órgãos ligados à secretaria, como a Codasp (Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo), também devem ser controlados pela sigla - a empresa pode ir para a órbita do PMDB.

O DEM receberá uma secretaria da gestão tucana depois que o vice-governador, Guilherme Afif Domingos, anunciou que trocará o partido pelo PSD, legenda a ser criada pelo prefeito paulistano, Gilberto Kassab. A direção do DEM cobrou, então, Alckmin para ganhar outro espaço no governo, já que a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, tocada por Afif, não será mais da sigla.

A decisão sobre a nova secretaria do DEM deve ser tomada na próxima semana e, de acordo com interlocutores do Palácio dos Bandeirantes, pode vir casada com uma mudança de cadeiras no secretariado. O governador pretende passar o Desenvolvimento Econômico para alguém ligado ao PSDB. Antes disso, no entanto, gostaria de resolver a participação do DEM no governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.