Demanda por voos bate recorde para março, mas oferta recua 6%

Após dois meses seguidos de queda, a demanda de passageiros por voos domésticos no Brasil voltou a crescer em março sobre o mesmo período de 2012, batendo recorde para o mês. Apesar disso, a oferta de assentos pelas companhias aéreas recuou quase 6 por cento, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Reuters

17 Abril 2013 | 15h36

No mês passado, a demanda de passageiros no Brasil cresceu 1,14 por cento na comparação anual, mas a oferta recuou 5,97 por cento, em meio à redução de capacidade de grandes empresas do setor impactadas com altos custos de combustível como a Gol, que já anunciou que cortará sua oferta de lugares em mais 7 por cento neste ano.

Com o aumento da demanda e a queda da oferta em março, a taxa de ocupação das aeronaves subiu de 66,32 por cento para 71,33 por cento nos voos domésticos.

No acumulado do primeiro trimestre, a demanda por voos domésticos caiu 1,19 por cento ante igual período de 2012, enquanto a oferta recuou 7,78 por cento, na mesma base de comparação.

A liderança de mercado entre as empresas aéreas no Brasil manteve-se inalterada, mas a TAM, do grupo Latam, registrou perda de participação, passando de 41,66 por cento em fevereiro para 39,26 por cento em março, enquanto a Gol teve aumento, passando de 34,08 para 36,19 por cento.

A Azul e Trip somaram participação de 16,75 por cento em março, estável ante fevereiro. A Avianca passou de 6,90 para 7,15 por cento no período.

VOOS INTERNACIONAIS

Em março, a demanda por voos internacionais subiu 9,54 por cento, enquanto a oferta teve um salto de 18,08 por cento, na comparação com o terceiro mês de 2012, atingindo os maiores níveis de demanda e oferta para o mês desde o início da série histórica.

De janeiro a março de 2013, houve crescimento de 6,78 por cento na demanda e de 17,64 por cento na oferta.

(Por Roberta Vilas Boas)

Mais conteúdo sobre:
AEREAS DEMANDA VOOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.