Demissões na Volks geram solidariedade

As demissões de 3 mil dos 16 mil funcionários da Volkswagen de São Bernardo do Campo geraram solidariedade por parte de diferentes instituições e políticos. Um grupo de seis funcionários da GM está presente no pátio da Volkswagen onde ocorrerá uma assembléia às 8 horas para decidir se os metalúrgicos entarão em greve hoje por tempo indeterminado.As negociações trabalhistas da GM são encaminhadas pela Força Sindical, mas o grupo que veio à Volks hoje se intitula de oposição. Também estão presentes na fábrica de São Bernardo o diretor da executiva da Central Única de Trabalhadores (CUT), Vicente da Silva, o Vicentinho, e o presidente nacional da CUT, João Felício.Sobre a nota de apoio aos demitidos da Volks oferecendo equipamentos e infra-estrutura para a CUT divulgada na semana passada pela Força Sindical, Felício foi taxativo: "Não queremos nenhum tipo de ajuda da Força".A Força ofereceu equipamentos como carros de som e outros para que a CUT realizasse manifestações. A Central, porém, está usando o carro de som do Sindicato dos Químicos, que se solidarizou com as 3 mil demissões, para realizar a assembléia. Deputados de diferentes partidos também estão no pátio da companhia. Entre eles, Aldo Rebelo (PC do B-SP), Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP) e Ivan Valente (PT-SP).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.