Democracia olímpica

Candidato único, reeleito na surdina e por aclamação, francamente, esse tipo de dirigente não rola mais nem na Bolívia. O que restou de mais arcaico da era das Repúblicas das Bananas no continente só ainda se encontra por essas bandas na política predominante nas confederações esportivas brasileiras. O czar olímpico Carlos Arthur Nuzman, por exemplo, garantiu nesta semana, em reunião relâmpago de aliados, sua permanência na presidência do COB até 2012, quando completará 17 anos no poder. Grandes coisas! Em 2015, quando termina seu atual mandato, Ricardo Teixeira terá completado 25 anos no comando da CBF. Não é nada, não é nada, mais uma década ele se iguala ao recorde de Alfredo Stroessner à frente do Paraguai. E, provavelmente para não dar a Nuzman chances de concorrência, Teixeira mandou dia desses sua entidade acusar irregularidades na condução do processo democrático no Comitê Olímpico Brasileiro. Pode? Deve ter general de pijama boquiaberto com a astúcia do czar do futebol. AH, GAROTO! Era só o que faltava: Júnior arrumou uma namorada na Noruega. Xororó já não sabe mais o que fazer com esse rapaz. Graças a Deus está tudo bem com a Sandy, né? DIVERSIDADE Quem estiver de bobeira hoje em São Paulo deve visitar a fila de ingressos para os shows do Queen no Via Funchal. Só pra ver as figuras. De graça! Olha o nível, hein! O eleitorado está apreensivo. Já pensou se Marta e Gilberto resolvem contar o que andaram descobrindo um do outro para apimentar o debate no segundo turno? Melhor não! Base aliada Homer Simpson declarou seu voto a Barack Obama. Isso quer dizer o seguinte: até os estúpidos querem mudança nos EUA. Para pegar ritmo O ex-ministro Márcio Thomaz Bastos estreou com vitória na segunda divisão do Direito Penal. Não tinha como perder: voltou ao Tribunal do Júri como advogado de acusação de um réu confesso de sete tiros à queima-roupa no rosto e no peito da patroa, assim, sem mais nem menos, em Fernandópolis (555 km de SP). Resultado: o sujeito foi condenado a 16 anos e 4 meses, mas, cá pra nós, nem o Corinthians pegou moleza igual na Segundona. Mal comparando Se Adriana Calcanhotto escreveu um livro durante um surto psicótico, nada justifica que Cesar Maia não consiga produzir uma idéia para o Rio há tanto tempo. Boca-a-boca Cegos americanos não querem nem ver Ensaio Sobre a Cegueira, de Fernando Meirelles, baseado na obra de José Saramago. Parece que ouviram falar muito mal do filme. Exageraaaado! Ângela Ro Ro e Ana Carolina dividirão palco em dezembro, no Rio. Não chega a ser motivo para Sérgio Cabral pedir a permanência do Exército na cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.