Demolição é feita em ritmo lento por risco aos vizinhos

As obras de demolição do templo da Igreja Renascer, na Avenida Lins de Vasconcelos, no Cambuci, região central, atrasaram ontem por causa do risco de desabamento. O trabalho teve início às 7h30, quando dois funcionários, em uma gaiola, foram içados por guindaste e começaram a derrubar as paredes a marretadas. Porém, por volta das 11h30, uma viga de concreto foi atingida e o risco de o muro ruir aumentou. O trabalho foi então suspenso. Somente às 16h20, três cabos de aço foram levados ao local para escorar a parede e a demolição foi retomada às 17 horas. "Houve necessidade de prolongar o serviço porque temos previsão de chuva e a água faz com que a alvenaria se torne mais pesada, o que aumenta o risco de desabamento", explicou o coronel Orlando Rodrigues de Camargo Filho, coordenador da Defesa Civil Municipal.Quando o serviço foi encerrado, às 20 horas, apenas 5 dos 12 metros da parede haviam sido derrubados. A demolição será retomada hoje às 8 horas.SEM ALVARÁSede temporária da Renascer, o Club Homs, na Avenida Paulista, foi autuado ontem pela Prefeitura por falta de alvará de funcionamento. Foi multado em R$ 34.537,71, e recebeu prazo de cinco dias para regularizar a situação. Ontem, o clube emitiu nota dizendo desconhecer as supostas irregularidades. Dirigentes da Renascer confirmaram seus cultos hoje no Homs, marcados para as 8, 10, 15, 17 e 19 horas. Das quatro vítimas do acidente, Stephanie Batonovi de Sá, de 9 anos, e Rebeca Martins da Silva, de 55, continuam no Hospital São Paulo. Fábio Jodas de Oliveira, de 27, está em estado delicado no Hospital das Clínicas. MARCELA SPINOSA E

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.