Denarc apreende 420kg de cocaína de chefão do tráfico em SP

Após quatro meses de investigação,a polícia paulista apreendeu no fim de semana 420 quilos decocaína, em Itu (SP), e prendeu integrantes de uma quadrilha quetem conexões com as Forças Armadas Revolucionárias (Farc) daColômbia. Foram presas cinco pessoas, entre elas João Baptistade Faria, de 40 anos, irmão de Claudair Lopes de Faria, de 35,acusado de ser um dos dez principais traficantes do Estado evender 1 tonelada de cocaína por mês. Em São Paulo, a polícia informou que Claudair é ligadoao traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, eutiliza seus aviões para transportar cocaína da Colômbia para oBrasil. A informação, porém, não foi confirmada por autoridadesfluminenses. Quando soube das prisões, Claudair ligou para o delegadoEverardo Tanganelli, do Departamento de Investigações sobreNarcóticos (Denarc), para negociar a libertação do irmão e doscúmplices. A quadrilha usava uma chácara na estrada vicinal naaltura do km 68 da Rodovia Castelo Branco como base dedistribuição da droga. A cocaína estava em tambores enterradosnos fundos do imóvel, que tinha um pequeno laboratório pararefino de cocaína. Os policiais apreenderam maconha, 35celulares, balanças para pesar droga, máquina para contardinheiro, 3 pistolas e 1 revólver. Além de Faria foram presos Francine Cardoso de Almeida,de 30 anos, Alex Sandro de Souza, de 23, C.S.J., de 17, eClodemir Monteiro, de 21. Detido no domingo, Monteiro contou queClaudair estivera no local na noite anterior e seguira para acapital com uma namorada. Claudair telefonou quatro vezes paraTanganelli. Insistiu que se entregaria se os comparsas fossemlibertados. Na última ligação, voltou atrás e afirmou que nãovoltaria para a cadeia. A polícia, no entanto, já gravara por quatro mesestelefonemas de Claudair. Neles, descobriu suas conexões com otráfico internacional. Apurou, por exemplo, que o bandido deveUS$ 2,5 milhões para as Farc. "Numa das conversas ele disse que com a venda dos 420 quilos, pagaria parte da dívida", explicouTanganelli. Claudair é conhecido como Dudu e CL. Nascido em RibeirãoClaro (PR), morou no Rio, onde teria ficado amigo de Beira-Mar epassado a integrar a facção Comando Vermelho.FugaForagido de uma prisão de Curitiba, em 1995, apóster sido preso com 40 quilos de cocaína, Claudair se tornou umdos "patrões" da droga no Estado: vende pó e maconha na GrandeSão Paulo, Baixada Santista e em 50 favelas da capital. Paralibertar um comparsa, financiou a fuga de 106 presos da Casa deDetenção, em 8 de julho do ano passado. E mandou matar duaspessoas em Chavantes, interior, para vingar a prisão de umamigo. Claudair usava celulares de fabricação holandesa paraescapar do rastreamento. Tinha dois celulares via satélitepré-pagos com cartões, que dão direito a 20 minutos de conversaao custo de US$ 1 mil cada um. Mesmo assim a polícia grampeoutelefonemas que mostram o grau de violência do bandido. Numdeles, ele faz ameaças a um traficante. "Eu já matei 30 emandei matar outros 50. Trate de arranjar o dinheiro." O diretor do Denarc, Ivaney Cayres de Souza, informouque investiga a ligação de Claudair com quatro homicídios,registrados em Pirituba, zona oeste da capital, Osasco (SP),Santo Antônio da Platina (PR) e Amambaí (MS). Nos dois primeiroscasos, no ano passado, as vítimas foram advogados. No Rio, o Ministério Público do Estado informou queClaudair não é citado nos inquéritos sobre Beira-Mar. A chefe dosetor de Investigação da Delegacia de Repressão a Entorpecentes,Marina Maggessi, também disse não ter informações sobreClaudair.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.