Denarc de SP incinera 1 t de droga sintética

Mais de uma tonelada de droga sintética será incinerada hoje pelo Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) junto com outras sete toneladas de maconha e cocaína. As drogas foram apreendidas nos últimos 18 meses na capital e em 12 cidades da Grande São Paulo e interior. O que surpreendeu os policiais foi a quantidade de droga sintética - 1,177 tonelada -, em sua maioria ecstasy, LSD, skank (maconha preparada em laboratório). A procura por estas drogas tem aumentado em danceterias, bares, festas have e rap. O número de traficantes presos com droga sintética é grande.Os policiais dizem que as drogas produzidas em laboratório já estão concorrendo com a maconha e a cocaína. De janeiro a agosto deste ano, o Denarc apreendeu 1,3 tonelada de cocaína, 5,8 toneladas de maconha, 90 quilos de crack, 4 mil comprimidos de ecstasy, muitos quilos de skank e chara (produzidos em laboratório), haxixe e outras drogas.Foram presos 750 homens e 140 mulheres todos acusados do tráfico de drogas, a maioria maconha e cocaína. Os policiais detiveram ainda 102 menores que estavam trabalhando para os traficantes como entregadores e olheiros dos pontos de venda. As oito toneladas de drogas - maconha, cocaína, e as drogas sintéticas - serão incineradas hoje pela manhã numa empresa particular em Vila Theodoro, Suzano, na Grande São Paulo. que colocou seus fornos à disposição da polícia.O diretor do Denarc, Ivaney Cayres de Souza, disse que é a maior destruição de entorpecentes já feita pelo departamento e será acompanhada pelo governador Geraldo Alckimin, secretário da Segurança Pública de São Paulo, Saulo de Castro Abreu Filho, e o delegado-geral, Marco Antônio Desgualdo. A maior parte da droga é de maconha: seis toneladas. Quatro foram apreendidas num ferro velho da rua General Argolo, em Sapopemba, zona Leste, no dia 14 de agosto, quando foram presos dois paraguaios e o comerciante brasileiro Humberto Alves Goulart, dono da droga. A maior parte de 1,12 tonelada de cocaína pertencia ao traficante Claudair Lopes de Faria, o CL, preso pelo Denarc em junho, no Paraguai.Nas duas ações contra a quadrilha de CL os policiais do Denarc apreenderam um total de 780 quilos de cocaína. Em setembro do ano passado foram apreendidos 420 quilos e, na ocasião, foi preso o irmão de CL, João Batista de Faria. Ele estava com quatro cúmplices. No dia 31 de agosto, o Denarc apreendeu mais 350 quilos de cocaína pertencente a CL e prendeu cinco pessoas entre elas Edison de Moraes Pedroso, tesoureiro do traficante. CL foi preso em junho no Paraguai num trabalho conjunto do Denarc com a polícia paraguaia. A droga que será incinerada foi apreendida entre janeiro de 2002 e junho de 2003. Em 18 de outubro de 2002, o Denarc incinerou duas toneladas. Desde 1995, o Denarc já fez 13 incinerações, com a queima de 28 toneladas de entorpecentes. A incineração será em forno apropriado para a destruição de resíduos industriais e terá o acompanhamento da Vigilância Sanitária. As oito toneladas foram apreendidas na capital, nos municípios de Barueri, Osasco, Diadema, Franco da Rocha, Guarulhos, Mogi das Cruzes, São Bernardo do Campo, Santa Isabel, na Grande São Paulo, e em Itu, Jundiaí, Capivari, Pederneiras, Sorocaba, no interior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.