Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Denarc prende 76 traficantes em portas de escola

Três estudantes de Direito foram presos, vendendo e comprando maconha perto do portão da faculdade na zona sul. Um biólogo foi detido vendendo pedras de crack ao lado de um colégio no Parque Dom Pedro II. Os quatro estão entre os 76 presos por policiais do Departamento de Investigações Sobre Entorpecentes (Denarc) em mais uma Operação Escola Segura.Trata-se da quinta ação do Denarc contra os traficantes que atuam nas escolas de São Paulo e são apontados como os responsáveis pela iniciação de crianças e adolescentes no vício das drogas. O departamento mapeou 80 escolas em situação crítica e os policiais saíram às ruas com nomes e endereços.Quando do início da procura aos traficantes nas escolas, em junho, eram 150 os estabelecimentos de ensino considerados em situação grave. As 76 pessoas - 60 homens e 16 mulheres - presas nos últimos três dias, agiam nas portas e nas proximidades de universidades, escolas públicas e privadas.O Denarc utilizou 160 investigadores que, além de prender os acusados, detiveram quatro menores - dois com 15 e dois com 17 anos - vendendo maconha e crack em colégios estaduais e municipais. Foram apreendidas com os 76 presos dezenas de pedras de crack, pacotes de cocaína e armas. A maioria das prisões ocorreu nas imediações de colégios da região central e da zonas norte e sul.O biólogo Ronaldo Polachini Júnior, de 43 anos, foi detido na noite de anteontem próximo do Viaduto Diário Popular, vendendo crack para estudantes. Com ele, foram apreendidas seis pedras da droga.Segundo o delegado Eduardo Nardi, da Divisão de Inteligência e Apoio Policial (Diap), as denúncias sobre Polachini indicavam que ele vendia crack para alunos da Escola Municipal Duque de Caxias.Os parentes do suspeito disseram no Denarc que ele, morador nos Jardins, mudou "completamente de vida e de conduta" após tornar-se dependente e, depois, vendedor de drogas. Ele cursou biologia em Campinas, formou-se na capital e esteve internado durante um ano para tratamento, na tentativa de livrar-se das drogas.Na Rua da Paz, em Santo Amaro, zona sul, os investigadores prenderam a poucos metros do portão da Universidade Paulista (Unip), os estudantes do 4º ano de Direito André Ribeiro Gonçalves, de 25 anos, e Silas Monzani Ballianotti, de 26, quando vendiam maconha para J.A.N.S, de 20, do 1º ano de Direito.Com os três, os policiais apreenderam 400 gramas de maconha, considerada pelos traficantes de "primeira qualidade" e, portanto, de valor maior. Gonçalves e Ballianotti foram autuados por tráfico e ficaram presos. S. foi enquadrado por uso, pagou fiança e vai responder ao processo em liberdade.Nas cinco Operações Escola Segura já feitas, os policiais do Denarc prenderam 346 pessoas. O diretor do departamento, Ivaney Cayres de Souza, disse que o trabalho tem por objetivo colocar na cadeia o maior número de microtraficantes, normalmente "responsáveis pelo ingresso dos adolescentes no mundo das drogas".Para identificar os criminosos, o Denarc tem utilizado as informações recebidas pela Diap, que analisa as denúncias e as passa para o setor de investigações. "Mapeamos 80 escolas que enfrentam problemas com as drogas", disse Souza.Ele destacou que o trabalho tem dado certo. "No primeiro mapeamento que fizemos, há cinco meses, eram 150 os estabelecimentos de ensino em situação crítica. Neste último, o número diminuiu para 80 e vamos fazer cair cada vez mais."

Agencia Estado,

21 de novembro de 2002 | 20h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.