Dengue hemorrágica faz mais uma vítima no Rio

Apesar do sucesso anunciado pelo ministro da Saúde, Barjas Negri, o "Dia D Contra a Dengue" foi marcado este sábado pela confirmação da primeira morte no sul fluminense causada por dengue hemorrágica. A vítima é a dona de casa Maria Lúcia Santos de Freitas, de 42 anos, que faleceu no último dia 25. De acordo com a Secretaria de Saúde do município, ela teria sido contaminada em São João de Meriti, na Baixada Fluminense.Duas outras mortes foram confirmadas na sexta-feira, em Duque de Caxias, também na Baixada: Lourival da Silva, de 38 anos, que morreu no dia morto no dia 17; e Daiane Lopes, de 7, no dia 13. Assim, sobe para 30 o número de óbitos no Estado. "As pessoas contaminadas até sexta desenvolverão a doença daqui há 15 ou 20 dias. Só em 30 dias vocês vão sentir os resultados da ação de hoje", disse o presidente da Fundação Nacional da Saúde, Mauro Costa, quando lhe perguntaram sobre os novos casos.Ao lado de Negri, na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Costa divulgou dados parciais sobre o "Dia D", promovido por autoridades da área de saúde na tentativa de vencer a epidemia que atinge o Estado desde janeiro. De acordo com ele, pelo menos 455 imóveis fora de uso foram visitados. "Temos dados de 27 dos 92 municípios do Estado, que mostram uma boa adesão. Foram 43.400 pessoas diretamente envolvidas. Esses 27 municípios cobrem 10,5 milhões de pessoas (71,4% da população do Estado) e 3,1 milhões de imóveis (o equivalente a 72,5% do total)", afirmou.De acordo com Negri, o governo federal promoverá campanhas nacionais nos mesmos moldes do "Dia D". "Esse êxito no Rio pode ser transportado com rapidez para outros Estados. O trabalho não termina no dia de hoje", disse o ministro, que estimou em 500 mil o número de voluntários mobilizados durante a semana. Ainda não há data definida para o Dia Nacional de Combate à Dengue, que poderá acontecer até duas vezes por ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.