Denise Abreu depõe na CPI do Apagão da Câmara

Denise Abreu, diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), começou a depor nesta quinta-feira, 23, na CPI do Apagão Aéreo da Câmara. Em sua primeira declaração, Denise rebateu as críticas feitas contra ela. "Fui chamada de terrível e aprendi com grandes administradores públicos a delegar e a cobrar resultados."   "O dinheiro público deve ser gasto com eficiência e parcimônia. Não importam os obstáculos. Paciência é minha missão. Passei a ser acusada de ludibriar o poder judiciário que tanto respeito", afirmou.   Sobre irregularidades na Anac, Denise diz que determinou que a agência viesse juntar apenas tabelas de distância de pousos. "Em 48 horas a diretoria da Anac apresentou a petição e demonstrava apenas a margem de segurança necessária pra esses três boeings. E requereu a cassação da liminar. O Airbus 320 do Poder Judiciário não estava nessa ação cogitando que não pudesse operar em Congonhas."   "Não tem sentido imaginar que a Anac quisesse enganar a Justiça a respeito de algo que não era, sequer de longe, o objeto da ação."   Segundo Denise, esse documento foi juntado sem qualquer propósito. A norma, se aprovada, autoriza e seria uma atitude irresponsável.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.