Denúncia contra Marcola motivou ataques, diz promotor

A nova onda de ataques que atinge São Paulo desde a madrugada desta segunda-feira, 7, seria conseqüência das medidas que o Ministério Público Estadual (MPE) tem tomado contra a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), de acordo com o promotor Rodrigo Pinho. O prédio do órgão localizado na Rua Riachuelo, no centro de São Paulo, foi um dos alvos dos ataques nesta madrugada.De acordo com Pinho, essas medidas seriam a denúncia do MP contra Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, considerado líder do PCC. Marcola foi interrogado na última sexta-feira, 4, acusado de participação na morte do bombeiro João Alberto da Costa, no dia 12 de maio, durante a primeira onda de ataques atribuída à facção.Além disso, o MP definiu que deve ser paga uma indenização à viúva de Costa com dinheiro do PCC. Outra medida seria a solicitação do Ministério à Justiça para que não seja concedida a saída temporária de presos que cumprem regime semi-aberto na quinta-feira que antecede o Dia do Pais com retorno na segunda-feira. "Não tem cabimento permitir a saída temporária de integrantes do PCC", afirmou Pinho, que completou que estão sendo solicitados reforços à Polícia Militar para o reforço da segurança nos prédios públicos da capital.Uma outra medida que tem irritado a facção, de acordo com Pinho, é a divulgação da lista de advogados que serviriam de pombo-correio para o crime organizado. Pinho garantiu que os promotores que sentirem a necessidade de segurança especial, podem solicitar escolta, mas por enquanto ninguém fez esse pedido."Não vamos nos intimidar com esses ataques. Isso tudo deve servir para alertar o Congresso Nacional para que sejam aprovadas propostas que ajam com mais rigor contra o crime organizado", declarou Pinho.Essas propostas, já aprovadas pelo Senado, seriam um regime de cárcere mais duro, o isolamento total dos líderes de facções criminosas e a tipificação do crime organizado em relação às quadrilhas que aplicam métodos terroristas.Matéria alterada às 12h30 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.