Denunciados 5 policiais do 31º por corrupção e prevaricação

O Ministério Público Estadual (MPE) denunciou criminalmente a tenente-coronel Elizabete Soliman, o major Altair do Carmo Silva, um sargento, um cabo e um soldado sob as acusações de corrupção passiva e prevaricação. Os oficiais teriam comandado um esquema de arrecadação de dinheiro da máfia dos caça-níqueis e de peruas clandestinas no 31º Batalhão da PM, responsável pelo patrulhamento de parte da região de Guarulhos, na Grande São Paulo.A denúncia foi apresentada pelo promotor José Roberto Julião à 3ª Auditoria Militar. Ele requisitou que cópias da investigação fossem enviadas à Justiça comum para apreciação do suposto crime de quadrilha, uma vez que o Código Penal Militar não prevê esse tipo crime.O promotor também pediu a continuidade da investigação sobre possíveis crimes de peculato (alguns policiais são suspeitos de desviar mercadorias apreendidas). Uma das principais provas do caso é a delação premiada feita pelo tenente Antônio Domingos de Souza Neto. Dos cinco acusados, quatro estão presos. A tenente-coronel recebeu o direito de aguardar o processo em liberdade. A promotoria recorreu dessa decisão e pediu a reconsideração, além de ter apresentado um recurso ao Tribunal de Justiça Militar. Também pediu, por meio de mandado de segurança, que fosse dado ao recurso efeito imediato, mas a liminar pedida foi negada. Quem deve analisar a denúncia é o juiz Marcos Fernando Theodoro Pinheiro. Os policiais alegam inocência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.