Denúncias de compra de voto mobilizam Piauí

Listas com nome, endereço e número do titulo de eleitor estão sendo enviadas para campanhas

Luciano Coelho / TERESINA, O Estado de S.Paulo

25 Setembro 2010 | 00h00

O Ministério Público Eleitoral pediu a abertura de mais de 30 investigações à Polícia Federal para apurar denúncias de compra de votos no interior e na capital do Piauí. O procurador eleitoral Marco Aurélio Adão já ouviu depoimentos para instruir inquérito por corrupção eleitoral. Uma das denúncias veio do senador Heráclito Fortes (DEM), candidato à reeleição. Segundo ele, um prefeito lhe propôs apoio político em troca de R$ 60 mil.

Na última semana de campanha, os candidatos arrebanham cabos eleitorais para trabalharem nos poucos dias que restam antes das eleições. A Polícia Federal colocou agentes à paisana para se infiltrarem no movimento dos partidos e descobrir o esquema que está sendo operado pelos candidatos.

Além dos cabos eleitorais, que receberão R$ 200 pelo trabalho temporário, um batalhão de advogados também está sendo contratado, ao salário médio de R$ 2 mil. A eleição no Estado passou a ser também uma disputa jurídica. A Comissão de Propaganda Eleitoral já apreciou mais de 100 processos de várias naturezas como propaganda irregular, perda de tempo no horário eleitoral, retirada de material publicitário, invasão de horário eleitoral de candidato proporcional por candidato majoritário, entre outras.

Tudo para conseguir reverter o quadro, de acordo com as pesquisas de intenção de voto, que indica que a disputa será decidida no segundo turno. Até o apoio de Lula e da presidenciável do PT, Dilma Rousseff, virou briga judicial com várias ações em tramitação no Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI).

Os advogados do PT reclamam que o candidato a governador João Vicente Claudino (PTB) não poderia usar imagens de Lula porque faz parte da coligação que apoia José Serra (PSDB). Ciro Nogueira (PP), que disputa o Senado, também quer o apoio de Dilma, mesmo a contragosto dos petistas. Enquanto isso, o governador Wilson Martins (PSB), aproveita os depoimentos de Lula e Dilma pedindo votos para ele em seu programa eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.