Denúncias de violência sexual contra mulheres crescem 20%

Estatísticas mostram, ainda, que a maior parte das agressões, 47%, começa no início da relação ou, no máximo, até o final do 1º ano

Rafael Moraes Moura e Lisandra Paraguassu, O Estado de S. Paulo

06 Março 2015 | 11h23

Atualizada às 19h01

BRASÍLIA - Às vésperas da comemoração do Dia Internacional da Mulher, um balanço da Central de Atendimento à Mulher - Ligue 180 feito pela Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) mostra que as denúncias de violência sexual (estupros, assédios e exploração sexual) cresceram 20% em 2014, quando comparadas ao ano anterior. Em média, foram registrados quatro atendimentos dessas denúncias por dia por meio da Central. A maior parte das denúncias que chegam pelo 180, no entanto - 51,68% - ainda se concentra em outros tipos de violência física. Cerca de um terço, em violência moral.

Também foi registrado um aumento de 50% nos registros de cárcere privado de mulheres, na comparação com 2013. De acordo com a SPM, a Central fez 485.105 atendimentos no ano passado, uma média de 40.425 por mês e 1.348 ao dia, com um total de 52.957 denúncias. Criado em 2005, o serviço já realizou mais de 4 milhões de atendimentos.

Desde o início, o serviço é procurado majoritariamente por mulheres, 85,8%, que relatam violência praticada por companheiros, maridos, namorados ou amantes. Em 2014, no entanto, houve um pequeno aumento no número de homens procurando a Central para denunciar violência contra mulheres. Foram 7,5 mil denúncias, o equivalente a 14% do total - em 2013, 13%.

As estatísticas mostram, ainda, que a maior parte das agressões, 47%, começa já no início da relação ou, no máximo, até o final do primeiro ano. “É uma sociedade machista e patriarcal no Brasil e no planeta como um todo, que permeia os valores culturais, os valores de que em briga de marido e mulher não se mete a colher”, disse a ministra da SPM, Eleonora Menicucci. “O Estado tem a obrigação e o dever de meter a colher de pau com políticas públicas de qualidade e eficientes. As mulheres e a população em geral estão mais confiantes nas políticas públicas, porque elas estão vendo que as políticas públicas estão de uma forma republicana e federativa.”

Nesta sexta-feira, a ministra anunciou ainda a ampliação do Ligue 180 para França, Estados Unidos, Inglaterra, Noruega, Guiana Francesa, Argentina, Uruguai, Paraguai, Holanda, Suíça, Venezuela, Bélgica e Luxemburgo. As brasileiras que vivem na Espanha, Itália e Portugal já são atendidas pela Central desde o ano passado, quando o serviço foi levado para o exterior pela primeira vez.

De acordo com a SPM, de um total de 52.957 denúncias de violência contra a mulher em 2014, 27.369 corresponderam a denúncias de violência física (51,68%), 16.846 de violência psicológica (31,81%), 5.126 de violência moral (9,68%), 1.028 de violência patrimonial (1,94%), 1.517 de violência sexual (2,86%), 931 de cárcere privado (1,76%) e 140 envolvendo tráfico (0,26%).

Mais conteúdo sobre:
Violência Dia Internacional da Mulher

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.