Depoimento de testemunhas do caso Edinho é adiado

As 12 testemunhas convocadas para depor no processo que Ronaldo Barsotti de Freitas Duarte e mais 11 pessoas por tráfico de drogas, associação para o tráfico e porte de armas e munição não puderam ser ouvidas no Fórum de Praia Grande. Os advogados de todos os acusados se retiraram da sala de audiência em protesto contra a anexação em cima da hora de textos correspondentes às gravações realizadas pela polícia na Operação Indra e nova data será marcada para os depoimentos. Edson Cholbi do Nascimento, o ex-goleiro Edinho e Filho de Pelé, é um dos acusados. Ele está preso na penitenciária 2 de Tremembé, mas sua presença nos depoimentos de hoje foi dispensada pelo seu advogado, Sidney Gonçalves. Duas testemunhas que seriam ouvidas foram arroladas pelo ex-jogador: o presidente do Santos, Marcelo Teixeira, e o ex-ponta-direita Manoel Maria, que atuou pelo clube e trabalha com Pelé em sua escolinha de futebol. Sidney Gonçalves comentou que a retirada dos advogados de defesa revelou o inconformismo com a inclusão das degravações poucos dias antes de as testemunhas serem ouvidas. Segundo ele, são 12 acusados, 12 advogados num processo que já tem mais de 40 volumes e o prazo de vistas de 48 horas dado pelo juiz é insuficiente, ao passo que o Ministério Público conta com muito mais tempo. "Queremos igualdade de tratamento com o que é concedido ao MP, como a lei determina", comentou. Para ele, os advogados que atuam no caso "não querem privilégios, mas não admitem que o Ministério Público seja privilegiado".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.