Depois de 12 dias de chuvas, Sergipe volta a ver o sol

Depois de 12 dias de intensos aguaceiros, as chuvas deram uma trégua em Sergipe e o sol voltou a aparecer hoje. Mas provocaram sete mortes, doenças e muitos prejuízos financeiros, obrigando o governador do Estado, João Alves Filho, PFL, a cancelar uma viagem que faria a Portugal, sábado, para poder acompanhar de perto o atendimento aos sertanejos atingidos pelas cheias. ?Estamos adotando novas providências. Só sairei do Brasil quando a situação dos quatro municípios mais afetados pelas chuvas estiver normalizada?, disse. Os municípios que se refere o governador são Poço Redondo, Porto da Folha, Canindé do São Francisco e Monte Alegre, no sertão sergipano, onde já começam a surgir casos de leptospirose.Enquanto no sertão ocorreram mortes, na região do Baixo São Francisco, as chuvas destruíram quase duas miltoneladas de arroz, um prejuízo estimado em R$ 1,2 milhão, segundo os rizicultores. No município de Propriá, a 98 quilômetros de Aracaju, dois perímetros irrigados ? um que leva o nome da cidade e o Cotinguiba-Pindoba - foram bastante afetados. Neste último, 70 lotes ? o equivalente a 300 hectares de plantação de arroz ? foram dizimados e a produção de 1,5 mil toneladas estáperdida.Embora as chuvas tenham sido prejudiciais, a cultura de subsistência não foi afetada. O presidente da Federação dosTrabalhadores na Agricultura do Estado de Sergipe (Fetase), Francisco Rodrigues de Farias, explicou que pelo calendárioagrícola, o plantio de grãos só começa em abril, estendendo-se até maio, com colheita prevista de agosto a final de outubro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.