Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

Depois de 70 dias de greve, PF comunica retorno aos trabalhos

Apenas dois Estados votaram pela permanência da paralisação; categoria deve voltar a atuar a partir desta terça-feira

Gheisa Lessa - O Estado de S. Paulo,

15 Outubro 2012 | 16h17

SÃO PAULO - A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) comunicou nesta segunda-feira, 15, o fim da paralisação da categoria que durou 70 dias. Até as 16h, 18 Estados brasileiros já haviam concluído as assembleias. Apenas dois deles votaram pela permanência da greve. Caso a maioria decida pelo retorno ao trabalho, a determinação será de ordem nacional. O efetivo total deve voltar a atuar a partir desta terça-feira, 16.

Os policiais federais de São Paulo, do Sindpolf-SP, realizaram assembleia na última quinta-feira, 11, e são favoráveis ao fim da paralisação. Além de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Brasília, Goiás, Pará, Bahia, Sergipe e Espírito Santo votaram pelo retorno aos trabalhos.

Até o final da tarde desta segunda a categoria deve divulgar balanço geral com o resultado das reuniões de todos os 26 Estados brasileiros. Apenas depois do resultado oficial serão divulgadas as unidades federativas que votaram pela permanência da greve.

Há pouco mais de 15 dias, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) reconheceu a legitimidade da greve dos policiais federais, mas fixou a necessidade de manutenção de cotas mínimas de servidores em algumas áreas de trabalho. A categoria era a única ainda parada no funcionalismo federal. A reivindicação teve início no dia 7 de agosto em todo o País. A categoria afirma ter respeitado a lei de greve e disse que manteve 30% do efetivo trabalhando.

Em agosto deste ano, o governo ofereceu reajuste de 15%, mas os policiais rejeitaram a proposta. A  reivindicação dos agentes, escrivães e papiloscopistas era pela regulamentação em lei das funções exercidas pelos policiais nas carreiras de nível superior.

Mais conteúdo sobre:
PFgreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.