Depois de cinco dias, mãe vai buscar filho perdido em SP

Depois de cinco dias, a paraguaia Norma Florentina, 35 anos, encontrou na quarta-feira, 10, seu filho Douglas, de 7 anos. O menino, que tem dificuldades de se expressar, havia sido pego pela polícia andando sozinho no Parque da Aclimação e levado a uma entidade que procurava pistas dos pais. A mãe disse que fez um boletim de ocorrência do desaparecimento na sexta-feira e criticou a polícia: "Eles não procuraram (a criança)." Ela só encontrou Douglas após ver uma reportagem de jornal.Norma mora em um conjunto de apartamentos na Bela Vista, e tem mais quatro filhos, com idades entre 1 e 17 anos. Segundo ela, na sexta-feira Douglas saiu sozinho pela manhã, enquanto o restante da família dormia. "Quando acordei, corri toda a Avenida 9 de Julho e a Avenida Paulista. Ninguém sabia dele", contou.No Centro de Referência da Criança e do Adolescente, onde Douglas ficou nos últimos dias, ele só falava do pai. Sempre se referindo a si mesmo na terceira pessoa, dizia que "papai Marcelo ia buscar Douglas para levar à lanchonete". Segundo Norma, no entanto, o menino tem pouco contato com o pai, que se separou da mãe há dois anos. "Também estranhei isso."A coordenadora do Centro de Referência, Marcia Felippe, tinha certeza de que não se tratava de uma criança em situação de rua. "Ele estava bem tratado e tinha bons modos", afirmou. Em média, cerca de 20 crianças são levadas por dia só para esse Centro de Referência, no Centro. A maioria mora na rua e as que se perderam dos pais são encontradas rapidamente com a ajuda de ONGs, como as Mães da Sé. O Conselho Tutelar aconselha as mães a colocar pulseiras com telefones de contato no braço dos filhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.