Depois do filme, a cobrança

Paulo Storani foi responsável pelo treinamento dos atores de Tropa de Elite. Foram 20 dias comandando uma versão resumida do curso de operações especiais. Levou tão a sério a missão que acabou com o nariz quebrado por um soco de Wagner Moura. O filme deu tão certo que José Padilha e Rodrigo Pimentel, ex-Bope, trabalham em Tropa de Elite 2.Storani acredita que o filme aumentou a responsabilidade do Bope. "A sociedade espera muito do batalhão." A unidade tem cerca de 400 policiais e o treinamento faz parte da rotina. São 24 horas de plantão, seguidas de 8 horas de treinamento e 48 de folga. Sobre as cenas de tortura do filme, ele é reservado. "Nunca torturei. Não posso garantir que ninguém tenha feito." Mas reconhece que as ações do Bope levam a "resultados extremos", um eufemismo para morte.

Márcia Vieira, O Estadao de S.Paulo

21 de dezembro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.