Deputada alerta para destaques do relatório sobre pedofilia

A deputada Maria do Rosário (PT-RS), relatora da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga a exploração sexual infanto-juvenil, afirmou que o relatório final poderá ficar comprometido se não for houver a votação dos destaques, que estão previstos para hoje. Na semana passada, o senador Arthur Virgílio (PSDB-AM) incluiu à votação do relatório a proposta para a retirada do nome do vice-governador do Amazonas, Omar Aziz, acusado de envolvimento numa rede de exploração de menores."Há indícios suficientes para manter o nome do vice-governador na lista, entre eles o depoimento da própria vítima e a informação de que a polícia estadual sofreu pressão para que o caso não chegasse ao conhecimento da CPMI", afirmou a deputada, que teme que a votação não aconteça caso os integrantes da CPMI não compareçam à sessão de hoje, segundo informa a Agência Brasil. Segundo ela, se o destaque não for votado o relatório da comissão não terá validade. Isso porque a CPMI tem prazo até 2 de agosto para concluir a votação do relatório. De acordo com a assessoria da deputada Maria do Rosário, a data é apenas um dia após a volta do recesso parlamentar, portanto, caso não seja contemplado hoje, a comissão ficará sem um relatório. O documento indica 249 pessoas suspeitas de prática de abuso sexual contra crianças e adolescentes. Entre os suspeitos estão políticos, juizes e autoridades. Mesmo com a indefinição provocada pelo destaque, Maria do Rosário entregou o relatório ao secretário Especial de Direitos Humanos, ministro Nilmário Miranda, na durante a comemoração dos 14 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), na sessão do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.