Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Deputada que teve carro atingido por tiros relata que recebeu ameaça da milícia

Mensagem do disque-denúncia, de acordo com ela, dizia que o grupo pretendia atingir algumas autoridades e que seu nome vinha especificado entre os alvos com 'letras garrafais'

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2019 | 16h46

RIO - A deputada estadual e ex-chefe da Polícia Civil do Rio, delegada Martha Rocha (PDT), que teve o carro atingido por tiros na manhã deste domingo, 13, relatou que recebeu uma ameaça vinda de um grupo da milícia, no início de novembro do ano passado. Segundo Martha, que comunicou o fato às autoridades do Rio na época, a ameaça chegou três vezes pelo disque denúncia. 

A mensagem, de acordo com ela, dizia que o grupo pretendia atingir algumas autoridades e que seu nome vinha especificado entre os alvos “com letras garrafais”. “Falei pessoalmente na ocasião com o Rivaldo Barbosa (então chefe da Polícia Civil) e Gilberto Ribeiro (subchefe operacional) e pedi uma análise de risco para ver se aquele disque denúncia tinha fundamento ou não”, disse.

Segundo a delegada, depois desta reunião, Ribeiro lhe telefonou para oferecer escolta policial por um mês, mas ela recusou e afirmou que queria apenas a apuração da denúncia. “Não recebi resposta do resultado dessa investigação”, afirmou. “Se houve ausência de cuidado, quem tem que explicar são eles, até porque não sei qual foi a motivação desse fato (deste domingo)”, afirmou. 

Martha ainda declarou que, quando era delegada titular, atuou na área de Campinho, que é dominada pela milícia, e que trabalhou na investigação destas organizações criminosas.

“Quem olhar a minha trajetória na Polícia Civil vai verificar que a questão da milícia não foi desconhecida da nossa administração, ou seja, nós sempre tivemos um radar para a apuração dos casos de milícia. Eu quero dizer que a Polícia Civil inteira sabe que, na minha atuação como delegada, fui uma pessoa que enfrentou milícia e que eu, como chefe da Polícia Civil, não fechei os olhos para a atuação da milícia”, declarou. 

A deputada disse que, depois da ameaça, transmitida no dia 5 de novembro, ela comprou um carro particular blindado, já que o fornecido pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) não tinha esse equipamento.  A blindagem não foi suficiente para lhe garantir segurança, já que estilhaços atingiram o seu motorista, um policial militar que lhe prestava serviços, no tornozelo.

Martha afirmou também que não reagiu durante toda a ação e que apenas tomou a medida de manter a sua mãe, de 88 anos, que também estava no carro, abaixada. Eles haviam buscado a mãe da deputada, que mora no bairro, e seguiam para assistir a uma missa na Tijuca.

Segundo a delegada, ainda na Penha, seu motorista notou que um carro Celta de cor banca estava atrás, com um dos homens, vestido de preto, luvas também pretas e touca no rosto. De acordo com o relato da delegada, em determinado momento, o homem colocou-se com a metade do corpo para fora do carro, portando um fuzil. Pouco tempo depois, este carro fez disparos contra o seu, atingindo o tornozelo do motorista e duas rodas.

O celta perseguiu o carro da delegada até a altura da Avenida Brasil. Na via, o PM conseguiu entrar em uma das ruas próximas e dirigir até o Olaria Atlético Clube, onde buscaram socorro. Os criminosos entraram em outra rua e fugiram. 

Governador do Rio 

O governador do Rio, Wilson Witzel, disse que a linha inicial da investigação é que a deputada tenha sido vítima de uma tentativa de latrocínio (roubo seguido de morte ou de graves lesões corporais). Segundo ele, essa informação lhe foi passada pelo delegado Giniton Lages, chefe da Divisão de Homicídios e pelo secretário da Polícia Civil, Marcus Vinicius.

"A linha inicial é que foi uma tentativa de latrocínio, uma vez que já há outras ocorrências no local que a polícia estava investigando. Já há uma possível identificação e a polícia vai trabalhar, solicitar um mandato de prisão e vai atrás dessas pessoas que estão praticando esse tipo de crime lá nessa região", disse o governador.

Witzel disse que, no entanto, a hipótese de atentado contra a deputada não foi descartada. Ele informou que também pediu uma escolta policial imediata para a delegada e que não tinha conhecimento da denúncia que a parlamentar relatou ter recebido, em novembro do ano passado, de uma ameaça vinda da milícia.

Ministério Público 

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) divulgou há pouco uma nota oficial sobre o ataque sofrido pela deputada estadual Martha Rocha na manhã deste domingo. “O atentado configura-se num ato de extrema gravidade sobretudo por tratar-se, mais uma vez, de uma parlamentar, o que representa uma tentativa de intimidação e ameaça ao Democrático de Direito. O MPRJ manifesta sua solidariedade à deputada e a seu motorista ferido e esclarece que acompanhará com rigor a condução das investigações policiais, a cargo da Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, assim como coloca à disposição das autoridades do Estado suas equipes de investigação para completa elucidação do caso da forma mais célere possível como exige a gravidade da situação.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.