Deputado atribui seqüestro à "insegurança que reina no País"

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Luiz Marinho, e o deputado estadual Wagner Lino (PT) duvidam da possibilidade de o seqüestro do prefeito Celso Daniel ter caráter político. "Aparentemente não se trata de um seqüestro político", disse Marinho. Para o deputado, Celso Daniel foi "mais uma vítima das centenas de seqüestros que têm ocorrido no Estado". Indagado se os políticos do partido passariam contratar seguranças de forma sistemática, Lino respondeu: "Precisamos brigar politicamente para aumentar a segurança no Estado de São Paulo e acabar de uma vez por todas com esta situação". Ele acrescentou que "Celso foi mais uma vítima dessa insegurança que reina no País". O deputado acompanhou o depoimento do empresário Sergio Gomes da Silva, que estava junto com o prefeito no momento do seqüestro. Gomes da Silva depôs entre 2 e 3 horas no 26º Distrito Policial, no bairro do Sacomã, zona Sul de São Paulo. O secretário de Segurança Pública, Marco Vinício Petrelluzzi, também acompanhou o depoimento. Segundo Wagner Lino, Gomes da Silva é um grande amigo de Celso Daniel e participou de algumas de suas campanhas, inclusive colaborando financeiramente. Celso Daniel foi sequestrado no final da noite de ontem, na zona Sul da Capital, depois jantar com Gomes da Silva.O presidente nacional do PT, José Dirceu, responsabilizou o governo federal pela onda de violência que assola o País e fez um apelo à população para que se mobilize contra a criminalidade. Para Dirceu, a raiz da violência está na impunidade do crime organizado e do narcotráfico. "Ou o governo acorda para combater o crime organizado e o narcotráfico ou o País vai viver o caos", advertiu o dirigente petista, ao comentar o seqüestro de Celso Daniel.Dirceu também denunciou um crescente envolvimento de policiais na escalada da violência, e acusou os governos de se omitirem ou agirem timidamente diante do problema. "Os organismos policiais estão totalmente comprometidos com os crimes, e toda hora tempos provas disso. A maioria dos seqüestros tem o envolvimento de policiais", declarou.O presidente do PT ressaltou que logo depois do assassinato do prefeito de Campinas, Antonio da Costa Santos, em setembro do ano passado, o partido encaminhou um dossiê ao governo federal alertando para o crescimento da violência."Quinta ação contra prefeitos do PT"O prefeito de Ribeirão Preto, o também petista Antônio Palocci, divulgou uma nota sobre o seqüestro de Celso Daniel, falando da importância do prefeito de Santo André para o partido e lembrando atos de violência cometidos recentemente contra membros do PT. Abaixo, a íntegra do texto:Estava em São Paulo para uma reunião sobre a campanha de José Genoíno ao governo estadual quando ocorreu o seqüestro do Celso Daniel e fui a Santo André quando soube do ocorrido. Estamos vigilantes, acompanhando os acontecimentos e preocupados, pois o Daniel é importante para sua família, para Santo André e para todo o País, pois é uma liderança importante do partido. Infelizmente, essa é a quinta ação concreta de violência contra prefeitos do PT. Não há comprovação de ligação entre os casos, mas também não há como dizer que não, por isso a preocupação do partido existe. Vamos manter contatos com o governo do Estado e com o Ministério da Justiça para que medidas urgentes sejam tomadas. E não são só os prefeitos do PT que devem se precaver com a segurança. Já tomei algumas medidas quando houve a tentativa de seqüestro do prefeito de Ribeirão Corrente, no ano passado.Antônio Palocci Filho (PT), prefeito de Ribeirão Preto

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.