Deputado dá dois valores para o mesmo voo

Maia afirmou que custo de viagem em avião da Uniair foi R$ 15 mil, e não R$ 4 mil; empresa disse que já foi ressarcida

Leandro Colon e Elder Ogliari, O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2011 | 00h00

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), não respondeu ontem a novas perguntas enviadas por escrito pelo Estado. Em entrevista à Rádio Gaúcha deu novas versões sobre as viagens em avião privado e defendeu-se: "Tenho me questionado qual o crime que cometi. É normal acontecer dessa forma. A empresa manda a fatura e se faz o pagamento posteriormente. E poderá ser feito parcelado. Esse voo deve ter custado algo torno de R$ 15 mil a R$ 16 mil e vai ser pago ainda", afirmou à Rádio Gaúcha,

Um dia antes, ao Estado, Maia havia dito que os valores seriam de R$ 3 mil a R$ 4 mil.

Após a entrevista de Maia, o presidente da Uniair Táxi Aéreo Ltda, Maurício Alberto Goldbaum, informou que já tinha recebido o pagamento, apesar de o deputado ter dito à Rádio Gaúcha que quitado a dívida em parcelas. "O valor, se não me falha a memória, é próximo de R$ 16 mil e foi pago durante a tarde."

Segundo ele, a contratação de voos por Maia foi igual às que fazem todos os clientes da empresa. "Seguindo as vias de praxe da área comercial, houve contratação, prestação do serviço e faturamento", narrou.

A Uniair tem como sócios a Unimed Rio Grande do Sul (majoritária) e a Unimed Central de Serviços Auxiliares.

Para se defender das cobranças sobre a origem do dinheiro com que paga o aluguel de jatinhos, o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), adotou a versão de que gasta 80% do próprio salário quando faz esse tipo de despesa. Ele declarou à Justiça Eleitoral um patrimônio de R$ 342 mil, sendo dois imóveis e um automóvel, sem reservas financeiras aplicadas até o fim do ano passado. Recebe ainda salário mensal de R$ 26,7 mil brutos da Câmara - com descontos, a remuneração fica em torno de R$ 20 mil líquidos.

O voo da semana passada, pela Uniair/Unimed -, para o trecho entre Erechim, Porto Alegre e Gramado teria custado, nas contas do próprio deputado, algo em torno R$ 16 mil. Um valor parecido, R$ 15.430,00 exatamente, teria sido a despesa feita no dia 4 de junho no trajeto entre Brasília, Goiânia e Porto Alegre. Esso voo foi realizado pela Ícaro Taxi Aéreo. Ou seja, em pouco mais de dois meses Maia teria gasto do próprio bolso pelo menos s R$ 30 mil em aluguel de aviões particulares.

Ontem, o diretor da empresa, Augustinho Miotto, disse ao Estado que Maia ganhou um desconto de 50% em cima do valor total de R$ 30 mil. "Eu paguei só para levá-lo, porque já tinha o voo de volta pago", disse. A despesa do deputado, segundo o empresário, foi paga em duas parcelas, uma de R$ 5.430 e outra de R$ 10 mil. Miotto foi quem embarcou o deputado para Goiânia, onde haveria um amistoso da seleção brasileira com a Holanda. "O cara é o terceiro homem do País" brincou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.