Deputado diz que DHPP foi "açodado" sobre crimes

O deputado federal Luiz Eduardo Greenhalgh (PT), que integra a comissão designada pelo PT para acompanhar as investigações dos assassinatos dos prefeitos petistas Antônio da Costa Santos, o Toninho do PT, de Campinas (SP), e Celso Daniel, de Santo André (SP), condenou a divulgação dos laudos do Instituto de Criminalística (IC) feitas nesta quarta-feira pelo diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Domingos Paulo Neto.Greenhalgh disse ainda que as afirmações de que os crimes estão "praticamente elucidados", feitas por Paulo Neto, são "açodadas e não condizem com a realidade". "A divulgação dos laudos hoje não acrescenta novidade nenhuma às informações que já haviam sido veiculadas pela imprensa, à exceção da apresentação dos nomes e fotografias de dois novos integrantes da quadrilha que agia na Favela do Pantanal", disse o deputado.Para o deputado, "as únicas novidades importantes" que poderiam ser apresentadas pela polícia seriam a prisão do automóvel Santana que teria participado do seqüestro, ao lado da Chevrolet Blazer, e a prisão dos outros membros da quadrilha.O advogado Ralph Tórtima Stettinger, contratado pela prefeitura de Campinas e pela família de Toninho para acompanhar as investigações, também criticou o que chamou de "açodamento" da polícia."O caso só estará encerrado quando tivermos os autores, provas cabais contra eles e a verdadeira motivação do crime. Por enquanto, podemos dizer que as investigações estão apenas andando", disse ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.