Deputado Enéas (Prona-SP) é vítima do ´disque-extorsão´

O deputado federal Enéas Carneiro (Prona-SP) foi vítima de uma tentativa de extorsão por telefone, na tarde de domingo. Ele estava em casa, no bairro das Laranjeiras, zona sul da capital, quando recebeu uma ligação em seu celular. Criminosos exigiram R$ 2 mil para liberar Gabriela, de 28 anos, filha do parlamentar, de um suposto seqüestro.A família tentou entrar em contato com Gabriela, porém o celular dela estava incomunicável. Nervoso, Enéas pediu ajuda a amigos. Em visita ao Rio, o deputado federal Elimar Damasceno (Prona-SP)chegou a negociar com os criminosos um encontro na Favela Cidade de Deus, em Jacarepaguá, zona oeste, para entregar o dinheiro do resgate de Gabriela.O drama só acabou quando ela chegou em casa, por volta das 21 horas, retornando de compromissos pessoais. O delegado Fernando Veloso, titular da 9.ª Delegacia Policial (Catete), onde o caso foi registrado, vai chamar a filha de Enéas para que ela preste depoimento sobre o caso. "Acho que foi aplicado mais um golpe chamado disque-extorsão", disse o policial.O delegado Fernando Moraes, titular da Delegacia de Divisão Anti-Seqüestro (DAS), disse que golpes desse tipo são comuns em "cidades grandes", como Rio, São Paulo e Belo Horizonte. "É só não acreditar neles (nos criminosos) e se certificar do que está acontecendo. Mas há uma histeria coletiva, justificada pela desconfiança das pessoas na atuação da polícia."O disque-extorsão costuma ser praticado por quadrilhas que agem dentro do sistema penitenciário, como o complexo de presídios de Bangu, na zona oeste do Rio. Recentemente, a polícia descobriu uma quadrilha que praticava cem extorsões mensais, em média, na penitenciária de Campos de Goytacazes, no norte fluminense. O dinheiro era usado para a compra de drogas, traficadas dentro da cadeia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.