Deputado pensa no planalto e fala em deixar a política

Convidado para ser padrinho de casamento de Lívia, filha de Ciro, no dia 3 de julho, Tasso não compareceu. Foi representado por sua mulher, Renata, herdeira do Grupo Edson Queiroz, que inclui a rede de rádio e TV Verdes Mares, filiada à Rede Globo, as águas minerais Indaiá e Minalba, uma distribuidora de gás, uma marca de castanhas de caju, um frigorífico, uma fábrica de eletrodomésticos e uma reserva de calcário.

Lourival Sant?Anna ENVIADO ESPECIAL / FORTALEZA, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2010 | 00h00

Segundo a senadora Patrícia Saboya (PDT), ex-mulher de Ciro e mãe de Lívia, "Tasso telefonou e explicou que não iria para evitar constrangimentos, não por causa do Ciro, mas de políticos, de deputados que estariam presentes, nos quais ele tem batido muito forte". Patrícia, candidata a deputada estadual, disse que as duas famílias continuam muito amigas, e que Tasso é "o político mais próximo" dela. Tasso a convidou para ser candidata à segunda vaga do Senado, mas ela teve de sacrificar a reeleição para evitar tensões na família de Ciro, pai de três filhos dela.

Patrícia não quis sair a deputada federal para ficar mais próxima da cidade, já que pretende candidatar-se novamente a prefeita na próxima eleição. Mas, segundo Ciro, é improvável que ela tenha o apoio dele e de Cid, por causa dos compromissos do PSB com o PT.

Todos parecem ter sapos para engolir no Ceará. Em 2002, Tasso era o candidato a presidente preferido do então governador paulista Mario Covas (PSDB) e do então senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA). Serra trabalhou internamente e conseguiu ser o candidato. Tasso tem de fazer campanha para ele no Ceará. Se eleito senador, Tasso, que terá 70 anos ao fim do seu próximo mandato, diz que essa é sua última campanha. Ele colocou uma ponte de safena em 1986 - pouco antes da sua estreia no Teatro São João, o que fez a cicatriz da cirurgia na perna doer quando saiu carregado nos ombros da plateia, como era o costume da época - e vai todo ano a Cleveland, para exames no coração.

O senador é sócio da fábrica de bebidas Norsa, que distribui Coca-Cola no Ceará, Bahia, Rio Grande do Norte e Piauí; do Shopping Iguatemi de Fortaleza (o restante da rede é do seu irmão, Carlos Jereissati, também sócio da operadora Oi); e da rede de rádio e TV Jangadeiro, filiada ao SBT. Ele declarou à Justiça eleitoral patrimônio de R$ 63,5 milhões.

Se o destino de Tasso parece definido, o de Ciro é incógnita. Ao mesmo tempo em que aspira à Presidência, ele desabafa: "Na verdade, estou querendo é sair em paz da política, como estou conseguindo." Não parece.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.