Deputado quer que CPI quebre sigilo de ex-dona da Varig

Deputados do Rio investigam a compra da Varig pela Gol, em 2006, por R$ 38 milhões

Agência Estado,

13 Setembro 2007 | 12h38

O presidente da CPI da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro que investigou a venda da Varig para a Gol, deputado estadual Paulo Ramos (PDT-RJ), sugeriu nesta quinta-feira, 13, que a CPI da Crise Aérea, na Câmara dos Deputados, quebre os sigilos bancário, fiscal e telefônico dos sócios da Volo do Brasil. A empresa arrematou a Varig em leilão em julho de 2006 e depois a revendeu para a Gol em março deste ano. Segundo a Agência Câmara, Ramos alegou ser fundamental para a investigação da venda quebrar esses sigilos. Ele lembrou que a CPI do Rio aprovou a medida, mas os investigados conseguiram no Tribunal de Justiça do Estado uma liminar contra a quebra. O deputados relatou ainda que a Volo comprou a Varig por US$ 20 milhões -  cerca de R$ 38 milhões - e a revendeu por US$ 320 milhões (mais de R$ 600 milhões). "Os sócios da Volo podem ser vistos como laranjas. Entraram em sociedade com recursos de origem duvidosa, participaram do leilão e depois venderam a empresa por um preço bem superior", afirmou na CPI da Crise Aérea. Na opinião do parlamentar fluminense, a venda Varig configurou-se como um crime de lesa-pátria. Para ele, o que houve foi uma manipulação para que a empresa fosse aniquilada, o que teria contado até com a participação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). "Acreditamos que haveria uma recuperação judicial e o que houve foi a estruturação de uma nova empresa que se apropriou do nome da Varig." Na reunião, Paulo Ramos disse que o fim da Varig criou uma deficiência na malha aérea brasileira, o que pode ter sido uma das causas do caos aéreo. O deputado lembrou ainda que os trabalhadores da Varig enfrentam resistências para ter reconhecidos seus direitos. As informações são da Agência Câmara.

Mais conteúdo sobre:
crise aérea Varig CPI do Apagão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.