Deputados acham que prisão em Minas foi dominada pelo crime

A Comissão de Segurança Pública da Assembléia de Minas Gerais chegou, nesta quinta-feira, à conclusão de que a Penitenciária Nelson Hungria, localizada em Contagem, na região metropolitana da capital mineira, está sendo comandada por presos ligados ao traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar.Os deputados que compõem a comissão se reuniram a portas fechadas com agentes penitenciários. De acordo com o deputado Rogério Correia (PT),o presídio está ?dominado pelo crime organizado?.Os líderes, segundo ele, estão identificados no relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito do Narcotráfico, concluída em 2001, como ?homens de Beira-Mar?.O deputado afirma que o comando da Nelson Hungria está repartido entre os traficantes Roberto Leal, que esteve preso junto com Beira-Mar no Departamento Estadual de Operações Especiais (Deoesp) da Polícia Civil de Minas ? de onde o megatraficante carioca fugiu pela porta da frente, em 1997 ?, Rogerão e Roni Peixoto, este identificado como ?o braço direito? de Beira-Mar no Estado. ?Estes são hoje os homens que comandam a Nelson Hungria?, afirmou Correia.Os deputados decidiram ouvir os funcionários da penitenciária após a denúncia de que policiais haviam recebido R$ 30 mil para facilitar a fuga de oito presos, no último domingo.Nesta quarta-feira, uma vistoria da Polícia Militar encontrou um revólver calibre 38,armas brancas e drogas nos pavilhões do presídio. Foram encontrados ainda diversos equipamentos usados para garantir a diversão dos detentos, como televisores, aparelhos de som, bicicletas, bebidas, um freezer com carne, uma churrasqueira e até uma piscina desmontável.No final da tarde desta quinta, a comissão da Assembléia se reuniu com o secretário deDefesa Social, Lúcio Urbano, o subsecretário de Administração Penitenciária, Agílio Monteiro, o corregedor da Secretaria, Paulo Roberto Ferreira, e o delegado da Polícia Federal Cláudio Dornelas.Diante das irregularidades constatadas, Correia adiantou que os parlamentares iam pedir o afastamento de toda a direção do presídio.?A idéia é afastar e fazer investigação em tudo.? Veja o especial:

Agencia Estado,

27 de março de 2003 | 18h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.