Deputados chegam a Presidente Bernardes para ouvir Marcola

Após duas horas de atraso, os oito parlamentares integrantes da CPI do Tráfico das Armas desembarcaram no aeroporto de Presidente Prudente às 12h10 desta quinta-feira, 8, de onde seguiram para a Penitenciária de Presidente Bernardes, onde chegaram às 12h45, para ouvir o depoimento do líder do Primeiro Comando da Capital (PCC), Marcos Camacho, o Marcola.Com faixas e cartazes, um grupo de 30 agentes pretendia ser ouvido pelos deputados, que passaram reto. "Se Marcola é ouvido, por que não somos ouvidos?", protestaram em coro. O início da audiência com o líder do PCC estava previsto para as 13 horas.O deputado Moroni Torgan (PFL-CE), presidente da comissão, disse esperar que Marcola contribua para os trabalhos da CPI e que ele esteja disposto a colaborar, "não se delatando, mas entregando possíveis rivais".A comitiva que leva os parlamentares a Presidente de Bernardes, a cerca de 22 quilômetros de Presidente Prudente, segue sob forte escolta de polícias federais e policiais rodoviários.Segundo o deputado federal Raul Jungmann (PPS-PE), também membro da comissão, há cerca de uma semana e meia, integrantes do PCC ameaçaram os parlamentares, pedindo que o depoimento de Marcola não fosse tomado.Não há previsão para o término do depoimento, que só será encerrado depois que todo os parlamentares fizerem suas perguntas.CPIA convocação de Marcola, para depor sobre o crime organizado, foi aprovada no início de maio e estava prevista para o dia 30. Os ataques do PCC impossibilitaram seu depoimento nessa data. Antes que a CPI marcasse nova data, o presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-SP), invocou razões de segurança e vetou a presença do preso no prédio do Congresso. Após o veto, a CPI cogitou a possibilidade de ouvir o detento na Polícia Federal, em Brasília, ou na Assembléia Legislativa, em São Paulo. Outra sugestão foi realizar o depoimento de Marcola por videoconferência, mas os integrantes da CPI recusaram. Por fim, foi definido que os parlamentares ouviriam o líder do PCC no próprio presídio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.