Deputados vão se encontrar com bombeiros presos no Rio

Parlamentares vão se reunir com oito líderes do movimento que estão presos

Tiago Rogero, Estadão.com.br

09 de junho de 2011 | 12h20

RIO - Parlamentares da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado (CSPCCO) da Câmara dos Deputados visitam nesta quinta-feira, 9, no Rio os bombeiros presos após a invasão do Quartel Central da corporação, na sexta-feira. Os deputados vão se encontrar com os oito líderes detidos, que estão isolados dos demais detidos, no Grupamento Especial Prisional (GEP) dos bombeiros, em São Cristóvão, na zona norte da cidade.

 

Mais cedo, os parlamentares estiveram no Hospital Central dos Bombeiros, também na zona norte, onde se encontraram com 12 militares detidos que foram internados após a entrada do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) no Quartel ocupado pelos manifestantes. De acordo com o deputado federal Alessandro Molon (PT-RJ), nenhum dos pacientes está em estado grave.

 

Depois, os parlamentares seguiram para o 2ª Grupamento de Bombeiro Militar (GBM), no Méier, onde está detida a primeira-tenente Lucrécia Belo Fonseca. "O que vimos foi uma cena chocante. A militar, que é enfermeira, presa atrás das grades em uma cela, como se fosse bandida. Ela foi detida somente por estar presente no momento da invasão ao Quartel", disse Molon.

 

Ainda nesta quinta-feira, 9,  os parlamentares vão ao GEP se encontrar com os líderes e à 3ª Policlínica do Corpo de Bombeiros, antiga sede da Academia da corporação, em Niterói, na região metropolitana do Rio, onde estão detidos os demais militares. No fim do dia, eles se reúnem com as famílias dos presos e manifestantes que acampam, desde domingo, em frente à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

 

Participam da visita, além de Molon, o presidente da CSPCCO, deputado Mendonça Prado (DEM/SE), e os deputados Protógenes (PcdoB-SP) e Dr. Aluízio (PV-RJ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.