Dersa faz "pegadinha" com motoristas na Pedro I

Placas móveis indicando limite de velocidade estão confundindo os motoristas que trafegam pela Rodovia Dom Pedro I, no trecho de Campinas, no interior do Estado de São Paulo. A velocidade máxima permitida na maior parte dos 146 quilômetros da rodovia, entre Campinas e Jacareí, é de 110 quilômetros por hora para automóveis e de 90 para caminhões e ônibus.Mas em Campinas, a partir do quilômetro 128 da Dom Pedro I, a velocidade é reduzida para 100 Km/h para automóveis e 80 para caminhões e ônibus. Somente a redução já seria motivo de confusão para os motoristas, que, no km 127, encontram uma placa indicando velocidade de 110 e 90 km/h e cinco quilômetros adiante se deparam com outra, determinando 100 e 80 km/h.Mas ainda há o problema das placas móveis que são instaladas em pontos aleatórios da rodovia por fiscais da Dersa, concessionária que administra a Dom Pedro. Em alguns casos, o motorista se depara com a placa móvel apontando 110 e 90 km/h, para, logo em seguida, encontrar a fixa com a informação de 100 e 80 km/h.Após a placa móvel, há sempre o radar. Se o motorista obedecer à velocidade da sinalização móvel, pode acabar sendo punido por não obedecer ao limite menor indicado nas placas fixas. O caso revoltou motoristas, que o batizaram de ?pegadinha? e espalharam e-mails pela internet com informações e imagens de alerta aos motoristas.Na mensagem eletrônica estão demonstradas as placas e há um flagrante da sinalização móvel, com fundo falso, para facilitar o manuseio dos números. Nesta terça-feira, a reportagem percorreu o trecho, no sentido Itatiba-Campinas, e verificou duas placas com limite de 110 e 90 km/h nos quilômetros 123, na divisa entre Valinhos e Campinas, e 127.No 132, havia uma placa coberta com plástico apontando 100 e 80 km/h. No trecho adiante foram encontradas apenas sinalizações de 60 km/h porque o local está em obras para a construção da terceira faixa da rodovia. A Polícia Rodoviária alegou desconhecer a placa móvel e disse que o controle de velocidade é de responsabilidade da Dersa.Ninguém da assessoria de imprensa da concessionária foi encontrado nesta terça-feira para falar a respeito. Um funcionário da Dersa, que não quis se identificar, confirmou o uso da sinalização aleatória, mas garantiu que o radar móvel afere a quilometragem determinada na placa e nunca está próximo do radar fixo.?A placa, na verdade, é um auxílio ao usuário, para ele saber que velocidade deve praticar naquele ponto específico, onde está o radar móvel?, alegou.De acordo com ele, há dois radares móveis em operação na Dom Pedro. O funcionário não soube dizer quantos radares fixos operam na rodovia nem quantas multas são emitidas pelos radares móveis e fixos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.