Desaparecidos políticos terão casos investigados

O Ministério Público Militar iniciou no Rio de Janeiro, há duas semanas, investigação sobre o desaparecimento de militantes de esquerda durante a ditadura militar (1964-1985). Depois de ouvir as primeiras testemunhas, o órgão decidiu pedir informações às Forças Armadas sobre os desaparecidos políticos.

Luciana Nunes Leal, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2011 | 00h00

Serão investigados os casos de pelo menos 40 ativistas capturados no Rio e que passaram por unidades militares ou pelo centro de tortura clandestino que funcionou nos anos 70 na Região Serrana. Os nomes dos desaparecidos foram encaminhados pelo Grupo Tortura Nunca Mais ao promotor militar Otávio Bravo, que abriu a investigação.

Com base no entendimento do Supremo Tribunal Federal, de que o desaparecimento forçado equivale ao crime de sequestro, Bravo argumenta que os crimes não foram prescritos nem se enquadram na Lei de Anistia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.