Desaprovação de eleitor a agressividade de Alckmin surpreende, diz analista

O dado mais surpreendente da pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta-feira é o de que o candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, não foi bem avaliado no debate da TV Bandeirantes pelo eleitorado mais escolarizado e com maior renda. A análise é do cientista político Cláudio Couto, professor da PUC-SP, que entende que Alckmin foi melhor, "do ponto de vista técnico", do que o presidente e candidato à reeleição, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no embate televisivo."Fosse um jogo de futebol, numa metáfora como agrada o presidente Lula, Alckmin teve o domínio de jogo e deu o tom da partida, mas não se consumou numa grande vitória", disse Couto à Agência Estado. "Alckmin pareceu mais centrado, incisivo e com maior controle de números e dados. Isso não se refletiu, entretanto, numa percepção de que ele saiu vitorioso do debate, já que a sensação geral é de que os dois tiveram desempenho similar."Segundo o Datafolha, entre os entrevistados que viram o debate, 43% avaliaram que Alckmin foi melhor, enquanto 41% entenderam que Lula venceu.Por que, então, o comportamento agressivo do tucano, ao enfatizar ataques ao presidente no campo da ética, foi tão malavaliado entre os eleitores de escolaridade mais elevada e maior renda? "A hipótese que podemos levantar é que, ao fugir de suas características de fala pausada e temperamento tranqüilo e sereno, tirando o figurino de ´picolé-de-chuchu´, Alckmin pode ter provocado certo tipo de desconfiança nesse segmento do eleitorado, duvidando quem é o tucano", especulou Couto. "O fato é que, vendo o resultado do Datafolha, Alckmin perdeu votos nesse setor e se isso aconteceu por causa do comportamento no debate, seria necessário aprofundar análise em pesquisas qualitativas", acrescentou.Também pode ter contribuído para a percepção ruim de Alckmin nesse segmento do eleitorado a ênfase no tema da ética, durante quase todo o debate, deixando para um segundo plano a apresentação e o aprofundamento de propostas administrativas.Nessas circunstâncias e após o resultado do Datafolha indicar Lula com 56% dos votos válidos e Alckmin com 44%, Couto entende que a situação do presidente e candidato è reeleição é "bastante confortável". "O presidente certamente deve ficar mais tranqüilo com esse resultado, mas a ratificação da vitória ainda depende de vários fatores, entre os quais aquilo que virá com a retomada da campanha televisiva, a partir de amanhã", ponderou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.