Washington Alves/Reuters
Washington Alves/Reuters

Desastre em Brumadinho gera quase 4 milhões de citações em rede social

Usuários do Twitter enviaram mensagens acusando a Vale de negligência e cobrando punições, segundo análise da FGV

Daniela Amorim, O Estado de S. Paulo

28 de janeiro de 2019 | 17h50

RIO - O desastre provocado pelo rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG) gerou quase quatro milhões de citações na rede social Twitter em apenas três dias, segundo levantamento feito pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (Dapp/FGV), publicado em primeira mão pelo Broadcast Político.

O acidente somou 3,95 milhões de menções no Twitter entre as 12h de sexta-feira, dia do acidente, e 12h desta segunda-feira. A empresa foi citada em 15,3% dos tuítes sobre o rompimento da barragem na Mina do Córrego do Feijão, grande parte deles acusando a Vale de negligência. Entre as hashtags mais usadas #brumadinhochegadeimpunidade alcançou 1,8% das menções ao desastre, e #valeassassina foi adotada em 0,8%.

O levantamento identificou dois principais picos de referências no Twitter. O primeiro ocorreu às 18h do dia 25 de janeiro, algumas horas após o rompimento da barragem, com 110,7 mil tuítes (1,84 mil tuítes por minuto). O segundo foi às 13h do dia 26, sábado, quando foram registrados 110,6 mil tuítes, ao intensificarem-se postagens de solidariedade e pedidos de ajuda às vítimas.

Cerca de 605 mil postagens fizeram referência direta à Vale. Entre as menções, a maioria atacava a mineradora alegando negligência em relação a questões ambientais ou ao atendimento às vítimas do desastre. Outras postagens cobravam a identificação dos responsáveis e providências judiciais imediatas contra a empresa. O tema da fiscalização ambiental rendeu 195 mil menções, sendo que parte das postagens evocava o rompimento da barragem de Mariana, também em Minas Gerais, em 05 de novembro de 2015.

No Facebook, foram publicados 17,5 mil links sobre a tragédia em Brumadinho. Os posts mais recorrentes foram imagens e vídeos com o resgate de sobreviventes e animais; pedidos de doação; descrição de atos de heroísmo por parte de bombeiros e agentes; e a oferta de ajuda nas buscas feita por Israel ao governo brasileiro.

Os 300 links de maior volume de interações entre as 12h de sexta-feira e 12h desta segunda-feira alcançaram 17,6 milhões de engajamentos no Facebook, somados reações, comentários e compartilhamentos.

Segundo a FGV, o impacto da tragédia em Brumadinho nas redes superou o do rompimento da barragem em Mariana. À época, a Dapp/FGV identificou 215 mil tuítes sobre o assunto em uma semana, de 06 a 13 de novembro. O volume de referências a Brumadinho em menor período de tempo foi mais de dez vezes superior, segundo o levantamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.