Desbaratada megaquadrilha de roubo de cargas em SP

Policiais do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) estão à procura do chefe de uma quadrilha supostamente responsável por 30% dos roubos de carga que ocorrem em todo o Estado de São Paulo. De Lidiomar Pires Teixeira, conhecido como "Alemão", os policiais localizaram até o momento apenas dois carros, ambos roubados. Na noite desta sexta-feira, oito bandidos foram presos pelos agentes do Deic, entre eles o funcionário de uma empresa de segurança, Antonio do Carmo Silva; e o ?empresário do crime?, Francisco de Oliveira Menezes, o Dr. Frank, que comandava mais de cem pessoas, morando num flat de luxo e mantendo casas e apartamentos em Fortaleza (CE). Ele administrava as finanças da quadrilha, que movimentava até R$ 10 milhões por mês na venda de cargas roubadas. Seus funcionários eram ladrões, falsificadores e receptadores. O esquema da quadrilha era sempre o mesmo. A carga era escolhida, o motorista do caminhão ou algum vigilante da escolta, subornado, e tudo saía de maneira a que os criminosos não corressem risco no momento do roubo. A carga roubada era guardada em sete galpões na grande São Paulo. Com a prisão de parte do grupo, a polícia chegou aos receptadores. O dono de um mercado confessou que comprava os produtos roubados pela metade do preço. A quadrilha era tão organizada que mantinha um livro caixa. ?Lá havia os nomes dos bandidos, os valores do material roubado, dos gastos com sanduíches para os integrantes do bando e o valor do material vendido para os receptadores?, disse Godofredo Bittencourt, diretor do Deic. A quadrilha praticamente não mexia com dinheiro vivo, na tentativa de parecer ao máximo que na verdade tratava-se de uma empresa, por sinal, ótima cliente dos bancos em que tinha cota corrente. As informações são do site da GloboNews.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.